Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu João Varela Gomes, “um grande lutador contra a ditadura e contra o fascismo”

João Varela Gomes foi um dos militares mais ativos politicamente antes e depois do 25 de abril

O coronel João Varela Gomes, um dos militares mais ativos politicamente antes e depois do 25 de abril, morreu esta segunda-feira, em sua casa, aos 93 anos.

Em reação à notícia, avançada pela RTP, o presidente da Associação 25 de Abril, coronel Vasco Lourenço, em declarações à agência Lusa, considerou-o uma figura "muito importante na história do século XX em Portugal" e "um grande lutador contra a ditadura e contra o fascismo".

Depois do 25 de abril, acrescentou, "também se envolveu apaixonadamente, como fazia sempre, em coisas positivas e outras menos positivas". "Prefiro recordar as positivas", enfatizou Vasco Lourenço.

Varela Gomes foi um dos participantes do assalto ao quartel de Beja, em 1962, onde foi ferido com gravidade, juntamente com, entre outros, Manuel Serra e Eugénio Oliveira, que veio a ser grão-mestre da loja maçonica do Grande Oriente Lusitano (GOL).

No período posterior ao 25 de abril de 1974, Varela Gomes teve relevância por vários motivos, designadamente pelo papel na 5.ª divisão do Estado-Maior-General das Forças Armadas, que designadamente incomodou o então embaixador dos EUA em Portugal, Frank Carlucci.

Na nota biográfica que acompanha a notícia da RTP detalhou-se que entrou na clandestinidade depois do 25 de novembro de 1975, para escapar ao mandado de captura emitido em seu nome, tendo saido do país para Cuba, via Espanha, e depois para Angola. Só regressou a Portugal em 1979.