Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Vistos Gold e Operação Fizz voltam a dar emoção ao Campus da Justiça

PROCESSO. O ex-ministro da Administração Interna demitiu-se do Governo de Passos Coelho com o escândalo causado pelo caso

NUNO FOX

Dois dos julgamentos mais mediáticos de 2018 voltam a dar que falar. Ex-ministro Miguel Macedo é ouvido esta segunda-feira depois de ter repudiado as acusações do Ministério Público. Na quarta-feira, o julgamento da Operação Fizz terá caras novas

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Esta segunda-feira prosseguem dois dos julgamentos mais mediáticos de 2018. A Operação Fizz, que envolve o ex-procurador Orlando Figueira e o antigo vice-presidente de Angola Manuel Vicente; e também o processo dos Vistos Gold, com 17 arguidos, entre eles o ex-ministro da Administração Interna Miguel Macedo.

A Operação Fizz vai voltar a ter maior interesse esta quarta-feira, na audição a Angélica Conchinha, representante fiscal da Primagest, que será uma subsidiária da Sonangol em Portugal. O MP suspeita que Conchinha tenha feito transferências, que estiveram sob investigação, a Orlando Figueira.

Em causa no processo está o arquivamento de um processo relacionado com Manuel Vicente pelo então procurador Orlando Figueira, acusado de corrupção passiva, branqueamento de capitais, violação do segredo de justiça e falsificação de documentos.

Na última semana, o administrador do BCP Iglésias Soares negou em tribunal que, em março de 2015, tenha avisado o ex-procurador de que estava sob investigação do Ministério Público, contradizendo as afirmações do arguido.

Sobre a passagem de Orlando Figueira do “compliance” do BCP para o Activo Bank, o vogal do conselho de administração explicou que foi Miguel Maia, também do conselho de administração, que lhe disse ter “fortes suspeitas” que o ex-procurador “passava informações sigilosas”.A decisão de Miguel Maia, revelou durante o julgamento, foi transferir Figueira do BCP para o Activo Bank sem lhe “contar os verdadeiros motivos”. Quando foi questionado porque razão o contrato de prestação de serviços de Orlando não foi denunciado dadas as suspeitas, Iglésias Soares afirmou desconhecer o motivo. E salientou que quem poderia responder a isso seria Miguel Maia.

Esta semana, Miguel Maia vai ter oportunidade para responder a esta dúvida.

Na estrada dos Vistos Gold

Também no Campus da Justiça prossegue o julgamento do processo dos Vistos Gold.

As figura centrais do caso são Miguel Macedo, António Figueiredo, ex-presidente do Instituto de Registos e Notariado, Manuel Jarmela Palos, ex-diretor do SEF, Maria Antónia Anes, ex-secretária-geral do Ministério da Justiça, três empresários chineses e um angolano e ainda Paulo Lallanda de Castro, empresário da indústria farmacêutica.

Segundo o Expresso apurou, Miguel Macedo vai ser ouvido esta segunda-feira à tarde. Há duas semanas, o ex-ministro da Administração Interna afirmou que a acusação do Ministério Público é "infundada" e "carece de fundamento" em relação ao seu suposto envolvimento na nomeação de um oficial de ligação para Pequim.

Dia 5, Macedo quebrou um período de silêncio de três anos em que recusou falar sobre o assunto. Acusado na Operação Labirinto dos crimes de tráfico de influência e de prevaricação, o ex-ministro da Administração Interna lamentou que o Ministério Público se tenha metido por aquilo que considera um “caminho que não conhece” e que “confunde a Estrada da Beira com a beira da estrada”

Esta segunda-feira, também vai ser ouvido pelo tribunal um cidadão chinês chamado Tsui.