Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Sem-abrigo português morre em Londres e Jeremy Corbyn deixa mensagem

Tim Graham/ Getty Images

O português encontrava-se numa estação de metro junto ao Parlamento, onde morreu de frio. Nos últimos anos, os sem-abrigo mais do que duplicaram em Inglaterra

Luís M. Faria

Jornalista

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Um português com cerca de 40 anos foi encontrado morto esta quarta-feira numa passagem de uma entrada de metro em Westminster, ao lado do Parlamento em Londres.

A Secretaria de Estado das Comunidades está a acompanhar a situação de perto, não podendo no entanto confirmar até ao momento a identidade do sem-abrigo. Mas as autoridades londrinas já confirmaram à agência Lusa de que se trata de um cidadão com nacionalidade portuguesa.

A morte estará relacionada com as baixas temperaturas, por vezes abaixo de zero, que se têm feito sentir na capital britânica.

Segundo a imprensa inglesa, o português seria um antigo modelo e terá procurado trabalho em Londres como empregado de mesa. Nas últimas semanas seria presença regular num centro de acolhimento na capital britânica.

De acordo com o "The Guardian", o sem-abrigo teria pernoitado "durante algum tempo" no centro The Connection at St. Martin's, que presta apoio a pessoas mais necessitadas. O português teria "circunstâncias especiais", de acordo com responsáveis desta instituição de solidariedade social que lembram que ele gostava de lá ir cantar e participar nas aulas de ioga.

Na sua página online, o centro The Connection at St. Martin's lamenta a morte do português e revela que realizou alguns trabalhos de caridade nos últimos tempos.

A polícia britânica já revelou que as circunstâncias da morte estão por esclarecer mas não haverá suspeitas de crime.

Várias pessoas puseram no local ramos de flores e mensagens a lamentar o sucedido. Entre elas há uma que chama a atenção: "Isto nunca devia ter acontecido. Enquanto país, temos de deixar de passar ao lado. Descanse em paz. Jeremy Corbyn".

O líder do Partido Trabalhista, provavelmente, conhecia o homem. Uma discreta entrada reservada aos parlamentares fica próxima, e membros do seu staff iam lá com frequência deixar comida e falar com ele. Era um de mais de quatro mil sem-abrigo – o número mais do que duplicou nos últimos anos – que se estima existirem em Inglaterra.

Além das flores e do cartão, Corbyn escreveu uma mensagem no Twitter: "Acabo de saber que um sem-abrigo morreu mesmo à entrada do Parlamento. Os poderosos não podem continuar a passar no outro lado enquanto pessoas não têm uma casa a que possam chamar sua. É tempo de todos os deputados assumirem este desafio moral e alojarem toda a gente como deve ser".

Os serviços municipais em Westminster estimam que só na sua área de atuação existam cerca de duzentas pessoas a dormir na rua. Quando há períodos de frio especialmente intenso são enviadas equipas especiais.