Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

O que comemos pode influenciar a forma como o cancro se espalha (ou não espalha)

The Sydney Morning Herald

Cientistas de Cambridge estudaram o impacto da asparagina no alastramento de um tipo agressivo de cancro de mama em ratinhos e apuraram que uma dieta baixa nesse aminoácido trava o tumor. Especialistas alertam que doentes oncológicos não devem mudar a sua dieta de forma drástica por causa da descoberta, que ainda tem de ser testada em humanos

Há crescentes provas de que aquilo que comemos pode alterar a forma como o cancro se espalha e cresce, apontam cientistas de Cambridge num estudo publicado esta semana na revista "Nature", onde a equipa do Instituto de Investigação sobre o Cancro apresenta os resultados de uma investigação ao efeito da asparagina no alastramento de um tipo agressivo de cancro de mama em ratinhos.

A asparagina é encontrada na carne de frango, marisco e numa série de outros alimentos, em particular nos espargos aos quais foi buscar o nome. Sendo um dos aminoácidos mais comuns na natureza, o seu consumo ajuda o corpo a metabolizar os alimentos, mas de acordo com o estudo da equipa de Cambridge, parece também ser uma das comidas favoritas do cancro de mama que foi analisado.

Normalmente, os ratinhos com esse tipo de tumor específico morriam no espaço de semanas à medida que as células cancerígenas se espalhavam pelo corpo. O que os cientistas perceberam é que uma dieta baixa em asparagina ou a toma de medicamentos para bloquear a ação da asparagina desaceleraram o alastramento do cancro.

No ano passado, uma equipa de cientistas da Universidade de Glasgow já tinha apurado uma reação semelhante de linfomas e cancros intestinais em ratinhos à redução do consumo de dois aminoácidos não-essenciais, a serina e a glicina.

Com o novo estudo, a comunidade científica espera vir a aproveitar estes "vícios culinários" de variados tipos de cancro para melhorar o tratamento e as hipóteses de sobrevivência dos doentes oncológicos.

"Estamos a reunir cada vez mais provas de que cancros específicos são viciados em certas componentes da nossa dieta", explica Greg Hannon, professor de Cambridge. "No futuro esperamos melhorar os resultasod das terapias ao modificarmos a dieta do doente ou ao recorrermos a medicamentos que alteram a forma como as células cancerígenas acedem a estes nutrientes."

Um tumor detetado em fase inicial, aponta o correspondente de ciência e saúde da BBC, raramente é fatal; só quando o cancro se espalha pelo corpo através das chamadas metástases é que se torna uma ameaça. Para alastrarem e se multiplicarem, as células cancerígenas precisam de sofrer profundas alterações para conseguirem libertar-se do tumor, sobreviver na corrente sanguínea e instalarem-se noutros órgãos.

É neste processo que nutrientes como a asparagina contribuem, ou não, para o alastramento da doença. Para já, ainda é preciso comprovar os resultados destes estudos em ensaios clínicos em humanos, sobretudo porque a asparagina é um nutritente muito difícil de evitar em quase todo o tipo de dietas. Os cientistas acreditam que a solução deverá passar por recorrer a tratamentos químicos para bloquear a ação deste e possivelmente de outros aminoácidos.

Como explica Charles Swanton, grande especialista em doença oncológica do Reino Unido: "Curiosamente, o medicamento L-asparaginase é usado para tratar a leucemia linfoblástica aguda, que é [um cancro] que depende da asparagina. É possível que, no futuro, este medicamento venha a ser repensado para ajudar a tratar doentes com cancro de mama."

Delyth Morgan, diretora-executiva da organização Breast Cancer Now, diz que, para já, ninguém deve ficar alarmado com as descobertas nem alterar profundamente a sua dieta por causa dos estudos. "Não recomendamos aos doentes que excluam totalmente qualquer grupo de alimentos da sua dieta sem falarem com os seus respetivos médicos. A nossa recomendação aos doentes é que sigam uma dieta saudável e variada."