Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hábitos de saúde vão ser programados

Portugal acolhe startup que ensina a manipular decisões. Já tem acordo com Médis e Lusíadas Saúde

Milhões de anos de evolução humana depois, a ciência revela que, afinal, fazemos escolhas como qualquer outro mamífero: 95% das decisões são automáticas, por impulso e influenciadas pelo contexto. A modelação dos comportamentos é há muito conhecida pelos publicitários e está agora a chegar à Saúde. Um exemplo? Colocar legumes no início e no fim da fila de refeição nas cantinas escolares aumenta o consumo das crianças em 20%.

Psicólogos e economistas são os impulsionadores da nova técnica. Chama-se nudge, em português traduzido por economia comportamental, e tem como objetivo condicionar impercetivelmente os atos dos cidadãos para um resultado predefinido. Lá fora, a Saúde tem sido a área com maiores desenvolvimentos e algumas experiências chegam agora a Portugal. A primeira empresa no sector, a startup Nudge Portugal, vai avançar com projetos em parceria com os grupos Médis e Lusíadas Saúde e com o laboratório Janssen.

“O nudge explora o facto de, acima de tudo, sermos muito parecidos com outros animais quando tomamos decisões. Não somos tão racionais como julgamos. A novidade é que a investigação percebeu como funcionamos, a economia reconheceu este conhecimento e os especialistas começaram a utilizá-lo até em políticas públicas”, explica Diogo Gonçalves, psicólogo social com doutoramento em economia comportamental. Por exemplo, “a União Europeia e o Banco Mundial já utilizam o nudge para o sucesso das suas decisões”.

Responsável pela empresa Nudge Portugal, Diogo Gonçalves revela que “a ideia é começar a desenvolver intervenções de economia comportamental na Saúde”. A escolha tem uma justificação fácil de entender: “É um dos sectores que reúne mais experiências porque o investimento nesta área é cada vez maior e o retorno não tem a mesma dimensão. Portanto, é preciso investir mais nos fatores comportamentais, onde se faz a prevenção.”

Seguir os bons exemplos internacionais de economia comportamental aplicada à Saúde — os do Reino Unido, por exemplo (ver caixa) — é um dos primeiros passos. O envio de um SMS que consegue, de facto, reduzir as faltas dos doentes às consultas, reduzir os erros de prescrição mudando a cor do papel das receitas ou até controlar a opção excessiva por antibióticos apenas mostrando alguns números aos médicos prescritores.

O bastonário da Ordem dos Psicólogos, Francisco Miranda Rodrigues, reconhece as potencialidades destas novas ferramentas — distinguidas com dois prémios Nobel atribuídos a psicólogos em 2002 e 2017 — que, por isso, devem “estar sujeitas ao escrutínio ético e deontológico profissional”. Ou seja, assegurando que “a introdução destas mudanças comportamentais é baseada num método experimental e apenas generalizadas quando empiricamente demonstradas”.

Com recurso à economia comportamental, os cidadãos atuam sem saber que o fazem por condicionamento. Um dos exemplos mais conhecidos está no Aeroporto de Amesterdão, na Holanda. Para aumentar a limpeza dos sanitários masculinos foi colada a imagem de uma mosca no fundo do urinol. Os homens passaram a tentar atingir o inseto autocolante e a sujidade diminuiu.

Na prática, a manipulação pode ser para o bem ou para o mal. “Estas técnicas são hoje, e há muito tempo, utilizadas para o mal. Recentemente tem sido questionada a utilização que o sistema financeiro, por exemplo, tem feito destes conhecimentos, nomeadamente na venda dos seus produtos ao consumidor. Seria interessante que o regulador (o Banco de Portugal) se preocupasse em utilizar os mesmos conhecimentos na defesa dos consumidores”, defende o bastonário.

Francisco Miranda Rodrigues revela que “a Ordem dos Psicólogos considera estratégico para o país a utilização metódica destes conhecimentos, transversalmente às diversas áreas das políticas públicas, e já se disponibilizou junto do Governo para contribuir para que isto seja uma realidade em Portugal”. O objetivo é “contribuir para a criação de um grupo técnico especializado voltado para o trabalho permanente sobre a fundamentação científica comportamental de alterações das políticas públicas”.

Mesmo sem uma estrutura organizada, os peritos reconhecem que Portugal já tem ensaiado algumas experiências, e com sucesso. São disso exemplo, os alertas por e-mail da autoridade tributária para o pagamento de impostos ou a fatura da sorte. Diogo Gonçalves explica as medidas: “Hoje em dia, não há escassez de informação, há escassez de atenção e o novo petróleo da economia é a atenção humana. O nudge faz isso, capta-a e influencia-a.”