Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Esperar mil dias por uma consulta é “tempo excessivo”

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde esteve em visita ao hospital de Santo André, em Leiria, e mostrou-se descontente com os indicadores do portal do Serviço Nacional de Saúde

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, admitiu esta terça-feira que esperar cerca de mil dias por uma consulta é "tempo excessivo", depois de uma visita ao hospital de Santo André, do Centro Hospitalar de Leiria (CHL).

À margem da visita, o secretário de Estado mostrou-se descontente com os indicadores do portal do Serviço Nacional de Saúde, denunciados na segunda-feira pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e que referem que os utentes dos hospitais públicos chegam a esperar mais de dois anos por uma primeira consulta prioritária de oftalmologia e um ano e meio por uma de pneumologia.

"É seguramente tempo excessivo. Temos de combater isso. Não podemos ficar descansados nem satisfeitos com esses resultados. Significa que estão pessoas à espera mais daquilo do que deviam. Temos é também de ter a força e determinação para encontrar boas soluções", salientou Fernando Araújo.

Os sindicatos já propuseram o "aumento do número de horas semanais alocadas à consulta dos médicos hospitalares", refere o SIM, lembrando que atualmente "praticamente metade do horário semanal normal de um médico hospitalar" está alocado à urgência.

Confrontado com estas exigências, o governante afirmou que "reduzir o horário de urgência e passá-lo para a consulta externa, para a cirurgia e para o internamento é uma das áreas" que tem de ser trabalhada, "mas isso não pode ser feito sem desfalcar os serviços de urgência", advertiu.

A solução terá de passar por um "equilíbrio" e por uma aposta "no trabalho programado", como as cirurgias.

Na visita ao hospital de Leiria, Fernando Araújo foi confrontado com algumas das vulnerabilidades desta unidade, nomeadamente a falta de médicos.

"Essa foi uma das questões que o presidente do conselho de administração me colocou. Gostava de sublinhar o profissionalismo e a motivação dos profissionais, que, apesar de algumas limitações de número dos recursos humanos, têm tido um excelente desempenho".

Em Leiria, a Medicina Interna é uma das especialidades com mais carência de médicos, revelou Fernando Araújo, apontando como uma das soluções de fixação de clínicos a contratação de médicos de outros hospitais.

Na sua intervenção, o presidente da administração, Helder Roque, pediu à tutela que "reconheça a realidade em que se transformou a instituição", onde os seus colaboradores têm uma ação "dura, esforçada, empenhada e muito dedicada para assegurar o nível de desempenho" já atingido.

"É tão pouco o que pedimos. Permitam-nos que com autonomia e sem interferências que condicionam o elevado potencial que possuímos, responsavelmente, possamos acrescentar valor aos recursos humanos e financeiros colocados ao nosso dispor. Só queremos mais e melhor, colmatar as deficiências, as carências e as insuficiências que ainda temos. E achamos que merecemos porque conquistámos de pleno direito, daí a nossa angustia por não sentirmos reconhecido o mérito dos nossos colaboradores."

  • Mais de metade dos hospitais não cumprem tempos de espera

    Os tempos de espera nos hospitais públicos estão de novo a aumentar. Os dados do portal do Serviço Nacional de Saúde mostram que há quem espere quatro anos por uma consulta de urologia ou mais de dois para ser visto por um oftalmologista, para um consulta prioritária.