Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Capítulo polémico do relatório de Pedrógão entregue a 37 famílias

Rafael Marchante

Detalhes e circunstâncias das mortes que constam do polémico capítulo 6 do relatório coordenado por Xavier Viegas foram entregues esta quarta-feira aos representantes de 37 famílias de vítimas mortais

O Ministério da Administração Interna entregou esta quarta-feira partes do capítulo 6 do relatório elaborado pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra aos representantes de 37 famílias de vítimas mortais.

O MAI explica que, desta forma, "deu cumprimento à deliberação da Comissão Nacional de Proteção de Dados, disponibilizando às famílias das vítimas dos incêndios as partes do capítulo 6 do Relatório 'O Complexo de Incêndios de Pedrogão Grande e Concelhos Limítrofes' que dizem especificamente respeito aos seus familiares".A CNPD havia proibido o ministério de divulgar o documento na íntegra, sustentando a decisão no facto de o texto revelar aspectos que dizem respeito à privacidade das pessoas citadas.

A entrega dos excertos do relatório foi feita em Pedrogão Grande e em Lisboa, em articulação com a Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrogão Grande. O MAI diz ainda que continua disponível para proceder à entrega dos documentos aos restantes familiares.

  • Expresso publica parte do capítulo oculto sobre fogo mortal em Pedrógão

    A Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande mantém a defesa da publicação do capítulo sobre as mortes de 65 pessoas. Mas, “com regras” e desde que os familiares concordem. O país tem de saber, diz Nádia Piazza. O Ministério da Administração Interna aceitou e ainda esta sexta-feira revelará parte do documento. O Expresso antecipa o excerto

  • Capítulo oculto de relatório sobre Pedrógão evidencia falta de socorro

    O Expresso teve acesso e republica agora um trabalho sobre o capítulo escondido do relatório sobre o incêndio de Pedrógão Grande. O estudo foi elaborado pelo professor da Universidade de Coimbra, Domingos Xavier Viegas, que se queixa, num artigo publicado esta terça-feira no “Público”, de estar a ser “censurado”. Um documento que mostra como morreram as vítimas de 17 de junho com base em relatos, fotos e mapas