Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

FNAC: as razões dos trabalhadores para fazer greve

D.R.

Aumentos salariais de 40 euros, a integração nos quadros da empresa dos trabalhadores com vínculo precário e “horários humanizados” são apenas algumas das reivindicações referidas em entrevista ao Expresso por Álvaro Gonçalves, representante da comissão de trabalhadores da FNAC

Os trabalhadores da FNAC cumpriram esta quinta-feira um dia de greve, em protesto contra a empresa, que acusam de desrespeitar o contrato coletivo de trabalho e de ignorar, “desde há anos”, as reivindicações dos funcionários. Álvaro Gonçalves, representante da comissão de trabalhadores, explicou ao Expresso o que está em causa.

Quais as reivindicações dos trabalhadores, que levaram à convocação da greve?
São várias questões. Exigimos o aumento dos salários em €40 para todos os trabalhadores, sem o critério de avaliação; 25 dias úteis de férias para os trabalhadores que só têm 22, sem critério de majoração; o fim da imposição do banco de horas nos novos contratos; a passagem imediata a Operador Especializado aos trabalhadores de logística com mais de 8 anos de contrato; queremos horários humanizados que permitam a conciliação da vida profissional, pessoal e familiar e reclamamos a integração nos quadros da empresa dos trabalhadores com vínculo precário.

Não tem sido possível dialogar com a empresa?
Nunca obtivemos respostas. A 17 de outubro tivemos uma reunião, mas nada se alterou. A posição da empresa mantém-se, sem qualquer retificação aos pontos referidos. Aceita dar mais dois dias de férias, mas esses dias têm em conta a assiduidade do trabalhador. Se este faltar por morte de um familiar, por exemplo — aconteceu comigo — essa falta, que a lei justifica, é contabilizada para efeitos dessa assiduidade.

Quantos trabalhadores na empresa têm vínculo precário?
A empresa não nos fornece os números dos trabalhadores nessa situação, todos contratados ao abrigo do primeiro emprego. Insiste que são entre 20 a 25% do total, mas não nos informa em concreto. Por outro lado, em relação à questão dos horários, as oscilações são constantes, com mudanças semanais e até trocas de folgas sem a autorização dos trabalhadores.

São problemas que se arrastam há quanto tempo?
Já no ano passado fizemos uma greve ao trabalho suplementar e ao trabalho em dias feriados. O nosso historial de luta sindical tem três anos, com sucessivas tentativas de diálogo desde, creio, março de 2014.

Para os trabalhadores há alguma questão que considerem prioritária?
O respeito e cumprimento integral do contrato coletivo de trabalho. Sentimos que as coisas se têm agravado e não entendemos esta posição de medição de forças em que a empresa insiste. O trabalho feito para além da carga horária normal continua sem ser pago com acréscimo de 100% (a dobrar), como é suposto, e há depois a questão dos aumentos salariais. Os salários estão praticamente congelados desde 2010, com exceção de acertos pontuais.