Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

É dele a patente mais cara vendida em Portugal. E também criou uma cerveja nacional sem álcool

O investigador Adélio Mendes criou a patente mais cara alguma vez vendida em Portugal

d.r.

Com o registo intelectual de mais de 20 inovações, Adélio Mendes é um dos investigadores nacionais de maior sucesso. Foi o responsável pela primeira cerveja sem álcool da Super Bock e o criador da patente mais cara vendida em Portugal, por cinco milhões de euros

Adélio Mendes é engenheiro químico e professor catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP). Alia a inventividade de um cientista ao pragmatismo de um homem de negócios, dois mundos bifurcados na sua carreira de investigador. Os prémios chegam em cascata, como é disso exemplo a atribuição do Troféu Inovação Tecnológica, no passado mês, por parte da UP.

Acumula patentes – mais de 20 – de tecnologias pioneiras, maioritariamente ligadas ao desenvolvimento de energias limpas, entre as quais a propriedade intelectual mais cara transacionada em Portugal, vendida à empresa australiana Dyesol por cinco milhões de euros. Não bebe cerveja, mas foi o responsável por dar origem à revolucionária “loira” sem álcool produzida pela Super Bock. Aos 53 anos, Adélio ainda sonha muito. Acredita mais. E concretiza.

“Eu tenho um sonho, o mesmo de D. João II: acredito que Portugal pode ser líder. Mais ninguém acreditava, mas ele não tinha dúvidas. E eu também não tenho”, assegura o investigador, em entrevista ao Expresso. Não trabalha para o reconhecimento. “Só quero que me deem condições para andar e que não me cortem as pernas”, acrescenta Adélio Mendes, um inventor nato.

Aprendeu isso desde criança, a brincar com os legos, os didáticos brinquedos da marca dinamarquesa que lhe permitiam construir gruas e tanques de guerra. Com 12 ou 13 anos, deu asas à primeira criação, um aeromodelo apetrechado com um motor elétrico, algo que lhe permitiu perceber de forma empírica um pouco mais de química. “Chateei o meu pai para poder colocar um motor de explosão, mas ele disse: ‘nem pensar nisso, é muito perigoso’. Então, fiz a produção de hidrogénio e oxigénio para fazer a combustão num reator aberto. Foi aí que descobri que a reação entre o oxigénio e o hidrogénio era, de facto, muito violenta, porque aquilo ainda causou alguns estragos”, recorda o docente da FEUP, instituição onde leciona desde 1994 e para a qual assegura já ter conseguido levar aproximadamente 15 milhões de euros, através dos vários projetos e das parcerias com o tecido empresarial.

Inconformado e crónico curioso

No currículo conta com vários projetos de investigação e desenvolvimento, relacionados com células fotovoltaicas; purificação 70% mais barata de hidrogénio; membranas de carbono para a separação de gases nobres de forma mais eficiente; a criação de um novo tipo de tinta aquosa para a empresa CIN; a ideia para a primeira cerveja sem álcool fabricada pela Unicer, em 2007; ou o atual projeto centrado na aposta de comercializar baterias solares, uma tecnologia “barata e fácil de produzir” que Adélio Mendes acredita poder revolucionar o mercado e pretendida por “meio mundo”. Uma primeira patente já foi efetuada em 2016 e no próximo ano deverá ser registada a segunda, já mais detalhada, da propriedade intelectual da nova criação, ainda em tubo de ensaio. “Queremos liderar o processo, não queremos ser carroça”, frisa o professor catedrático.

Adélio Mendes galardoado numa cerimónia que contou também com a presença de Carlos Melo Brito, Pró-Reitor da Universidade do Porto

Adélio Mendes galardoado numa cerimónia que contou também com a presença de Carlos Melo Brito, Pró-Reitor da Universidade do Porto

Relativamente ao trabalho, em colaboração com a EFACEC, que culminou com a patente vendida por cinco milhões de euros, em 2015, à empresa australiana Dyesol, a tecnologia desenvolvida consiste na produção de células solares de perovskita (PSC), capazes de possibilitar a conversão direta da luz solar em energia elétrica de forma renovável e sustentável. Quais são as vantagens? Baixo custo de fabrico, uma elevada eficiência e uma durabilidade de 25 anos. Muitos tentaram. Ninguém conseguiu. “Era algo muito desejado e o preço subiu muito”, explica o investigador sénior em Processos, Produtos e Energia.

Sobre o modelo original da primeira Super Bock com zero teor de álcool – capaz de assegurar as características do sabor tradicional –, o sucesso foi de tal ordem que em apenas um mês já tinham sido comercializados mais de um milhão de litros. A campanha publicitária, protagonizada há 10 anos por Bruno Nogueira, terá sido importante, mas a ideia de Adélio Mendes foi a chave para o sucesso, tendo sido peça fundamental na montagem da unidade de pervaporação. “Eu estava na Alemanha a fazer um pós-doutoramento e eles fizeram a produção de cerveja sem álcool de uma forma completamente estúpida. Eu tentei explicar-lhes e eles mandaram-me passear”, recorda o inconformado professor e crónico curioso. “Quando cheguei a Portugal fui bater à porta da UNICER. Conseguimos provar que o nosso processo era realmente interessante e foi patenteado. Depois, por altura do lançamento, convidei o meu orientador alemão para cá vir. Foi quando ele me disse: ‘Ó Adélio, isto é realmente fabuloso’”, conta o catedrático, sempre relutante a fechar-se num gabinete e limitar-se a produzir tratados teóricos, característica que aponta a muitos académicos.

O copo sempre meio cheio

“Eu não diria que tenho muitas invenções, quem me rodeia é que tem poucas. Não sou eu que estou defeituoso”, considera Adélio Mendes, para quem a investigação é entendida como um “bem económico-social”, lamentando a existência de “demasiados gestores de ciência” e tão poucos cientistas. “Muitas vezes, a investigação serve para a promoção da carreira académica dos docentes, com a publicação de papers. Essas pessoas produzem papel, mas não produzem ciência”, afirma o docente do Departamento de Engenharia Química da FEUP. “Conceber soluções dá trabalho e fecham-se numa torre de marfim. O maluco sou eu, porque aposto em trabalhar com as empresas”, atira, de forma irónica.

Para este homem com uma carreira consolidada na área das energias renováveis, olhar o mundo e ver líderes como Donald Trump – que desvaloriza o impacto das alterações climáticas – não é algo que o deixe alarmado. Pelo contrário. “É uma grande oportunidade para Portugal e para a Europa”. Não percebeu à primeira? O professor explica: “Se Trump está a fazer asneira, os norte-americanos vão ter de mudar, porque vão descobrir que as renováveis são mais baratas. Temos de apostar nessa área para que, no futuro, quando os Estados Unidos quiserem apostar nas energias renováveis, possamos ser nós a vender”.

Simples, pragmático e engenhoso. É este o sumário do professor Adélio Mendes.