Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Prémios Pfizer distinguem descobertas sobre a malária, a doença de Parkinson e a visão

Os cientistas premiados trabalham no Instituto de Medicina Molecular (Universidade de Lisboa), na Universidade de Coimbra e na Fundação Champalimaud

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

Maria Manuel Mota, investigadora e diretora executiva do Instituto de Medicina Molecular (iMM), onde lidera um laboratório com o seu nome, foi um dos três cientistas portugueses a vencer o Prémio Pfizer 2017, anunciou hoje a multinacional farmacêutica. Maria Mota descobriu com a sua equipa que uma redução de 30% nas calorias da alimentação de ratinhos de laboratório com malária faz diminuir a severidade da doença e a carga do parasita – o “Plasmodium falciparum”, transmitido pela picada do mosquito anófeles.

Os outros dois premiados foram Andreia Rosa, oftalmologista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra de Coimbra (CHUC), e Joaquim Alves Silva, neurocientista da Fundação Champalimaud. Andreia Rosa descobriu que o cérebro humano experimenta um processo de adaptação quando um doente com cataratas é operado e lhe são implantadas lentes multifocais. As conclusões a que chegou vai permitir no futuro selecionar melhor a lente a implantar num doente com cataratas, avaliar diferentes desenhos de lentes e estratégias terapêuticas que favoreçam a adaptação.

Joaquim Alves Silva revelou que a principal alteração nos doentes de Parkinson é a perda de um tipo de neurónios (células nervosas) que libertam dopamina, um neurotransmissor, isto é, uma substância química produzida pelos neurónios com a função de biossinalização. A atividade destes neurónios é necessária para o início do movimento do corpo humano. A sinalização celular faz parte de um sistema de comunicação que governa e coordena as atividades e funções celulares.

Os Prémios Pfizer distinguem projetos de investigação básica e clínica na área biomédica, sendo atribuídos anualmente pela farmacêutica Pfizer, que os financia, e pela Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa, encarregue do processo de avaliação das candidaturas. Cada prémio atinge um montante de 20 mil euros.