Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ordem quer consultas médicas com duração mínima de 20 minutos

Miguel Guimarães, bastonário da Ordem do Médicos

Foto Marcos Borga

O tempo apontado é considerado como consulta-padrão, podendo variar em função da especialdiade em causa. Segundo o bastonário, medida deve vigorar já no próximo ano

A Ordem dos Médicos não quer consultas marcadas com intervalos menores que 20 minutos entre doentes. Segundo anunciou esta manhã o bastonário, Miguel Guimarães, este é o tempo apontado como consulta padrão, tendo sido pedido às direções dos colégios das especialidades para indicarem a duração que entendam adequadas, conforme as necessidades para cada uma delas.

Psiquiatria, medicina interna, geral e familiar e neurologia estão entre as especialidades cuja duração das consultas terá, eventualmente, de ser maior. Em sentido inverso foram referidas a ortopedia e a cirurgia vascular.

Miguel Guimarães adiantou que os intervalos apontados “são para vigorar já no próximo ano, para a medicina pública e privada”.

“Os tempos atuais [entre 10 a 15 minutos] não são aceitáveis, precisamos de aumentar esses intervalos porque assim também vamos conseguir aumentar a segurança clínica, reduzir o recurso aos meios complementares de diagnóstico e melhorar a relação médico/doente”, acrescentou o bastonário.

Os tempos a indicar, por especialidade, terão em conta os meios informáticos utilizados, o tempo necessário para o médico consultar colegas ou informação comlementar e o tempo para explicar ao doente o que vai fazer.

Para Miguel Guimarães, está em causa uma medida “boa para o doente e para os médicos”, nomeadamente porque “muitos dos casos de esgotamento estão associados ao stresse do médico, sem tempo para analisar tudo o que necessita e para consultar o doente”.