Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Tiago Oliveira tem nas mãos a missão de conciliar prevenção e combate a fogos florestais

nuno botelho

Tiago Oliveira, engenheiro florestal, doutorado em Governança de Risco de incêndio e responsável pela área da proteção florestal do grupo Navigator, é o nome escolhido pelo Governo para chefiar a Estrutura de Missão para a Gestão Integrada de Fogos Rurais que vai criar a Agência proposta pela Comissão Técnica independente

O engenheiro florestal de 48 anos, conta com 20 anos de experiência em actividades nacionais e internacionais ligadas à gestão e governança de risco do fogo e gestão de recursos naturais. Foi um dos coordenadores da proposta técnica do Plano Nacional de Incêndios Florestais, apresentada em 2005 e que acabou por ser metida na gaveta.

Em entrevista ao Expresso, em julho, Tiago Oliveira defendia o que sempre defendeu: um comando único para a prevenção e combate aos incêndios. “O tripartido não funciona e é um sistema de ‘passa culpas”, argumentava, aconselhando o Estado a inverter o caminho que tem seguido. “Assim não vamos lá”, dizia.

Nos últimos 40 anos, metade do país ardeu e perdeu-se área arborizada, o que atribui ao “não reconhecermos que para ter floresta é necessário gerir a vegetação” e ao facto de “o sistema estar aprisionado à lógica do combate”. Para sair desta “prisão” defendia a necessidade de “reconhecer que estamos presos na armadilha do combate e que a prevenção é o melhor caminho”. Caso contrário, alertava, “vai sempre escapar um fogo e esse um vai queimar tudo de forma trágica, como aconteceu em Pedrógão”.

Tiago Oliveira tem criticado o “sistema montado nas tropas que combatem os incêndios e não está preocupado em governar o risco e o seu impacto” . Também tem alertado para a necessidade de “uma relação mais madura da sociedade com os processos de longo prazo, o que será essencial no futuro, tendo em conta as alterações climáticas”.

A entrevista foi feita no dia em que viu a sua tese de doutoramento sobre “a Transição Florestal e a Governança de Risco de incêndio em Portugal nos últimos 100 anos” ser aprovada por unanimidade e com louvor.

Desenvolveu-a ao mesmo tempo que exercia o seu trabalho como responsável pela área da proteção florestal do grupo Navigator (ex-Portucel Soporcel) e a de docente convidado (desde 2013) no mestrado MEDFOR no Instituto Superior de Agronomia (Universidade de Lisboa).

No currículo conta com a participação no projeto Fire-Engine do MIT e no painel de peritos em incêndios florestais da organização para a Alimentação e Agricultura (FAO). Faz parte do conselho técnico da Afocelca e entre 2003 e 2006 foi adjunto no ministério da Agricultura. É natural do Porto, casado e tem uma filha.