Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal vai ter 12 satélites privados

É a primeira ‘constelação’ nacional de iniciativa não governamental. Infante chega ao espaço em 2020

Um consórcio privado, liderado pelo grupo Tekever, é responsável pelo regresso de Portugal ao espaço. Mas, pela primeira vez, a iniciativa não parte de uma agência governamental — é comercial. O programa Infante prevê o lançamento de 12 satélites até 2025, que ficarão em órbita a uma distância entre 300 e 400 quilómetros da Terra. Paralelepípedos com 40 cm de comprimento e 25 kg de peso, têm um sistema de propulsão que atinge os 28 mil km/h.

O primeiro satélite será lançado em 2020 e conta já com o financiamento da Agência Nacional de Inovação, que vai investir dois terços do custo total de €9,2 milhões. O custo dos outros satélites será suportado pelo consórcio, que integra nove empresas e dez laboratórios de investigação.

Para ser rentável, a constelação nacional deverá prestar serviços como de captação de imagens da Terra, que poderão ser usadas no combate à poluição ou em missões de busca e salvamento. Os satélites estarão equipados com Radares de Abertura Sintética (SAR), câmaras multiespectrais e um sistema de comunicações entre 1 GHz e 40 GHz, que implicarão a instalação de várias antenas na Europa, China e América Latina.