Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Jorge Coelho: “Isto não cola com o José Sócrates que eu conheci a vida toda”

A acusação da Operação Marquês esteve em debate no programa “Quadratura do Círculo” da SIC Notícias. Pacheco Pereira diz que há muito tempo que se sabia que havia coisas muito erradas com Sócrates. Para António Lobo Xavier é impossível fugir ao rasto dos milhões passados de conta em conta. Já Jorge Coelho garante que as acusações não colam com o Sócrates que conhece

Jorge Coelho garantiu, esta quinta-feira à noite, que as 31 acusações no âmbito da Operação Marquês “não colam com o Sócrates que conhece”. No programa “Quadratura do Círculo, na SIC Notícias, o antigo governante socialista disse que acredita no Estado de direito e que haverá condições para o julgamento dos arguidos neste caso. No entanto, fez uma declaração de interesses, manifestando-se surpreendido caso o antigo-primeiro-ministro seja declarado culpado pelos crimes de que é acusado.

“Como é óbvio se isto for verdade eu ficarei chocado com tudo isto. Nunca me passou pela cabeça que estas coisas teriam acontecido nestes termos. Se isto aconteceu é de uma gravidade enorme (...) Mas tenho que ser frontal, conheço Sócrates há 35 anos e isto não cola com o José Sócrates que conheço”, afirmou o comentador.

Apesar da situação complexa, Jorge Coelho sustentou que é preciso aguardar pelo decorrer do processo para que as provas possam ser concretizadas. “Espero que no processo que vai dar agora início possa haver agora uma clarificação com provas concretas, que não deixem margem para quaisquer dúvidas.”

Já António Lobo Xavier afirmou que não há nenhuma “explicação cabal” para o facto de 34 milhões de euros terem circulado entre 500 contas que foram investigadas pelo Ministério Público. Segundo o antigo deputado centrista, Sócrates era uma “personalidade perigosa”, cujo plano de ascensão pessoal nao tinha meios para atingir fins.

Também José Pacheco Pereira considerou que há muito tempo que se sabia que havia coisas erradas com José Sócrates, apontando para o seu percurso pessoal e académico. Para o comentador, faltavam muitas explicações por parte do primeiro-ministro que acusou “de mentir na Assembleia da República com todos os dentes que tinha”. “As próprias explicações que deu são para quem não pense, são explicações completamente implausivéis.”

Atualizada às 00h35