Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Nós queríamos mesmo que a austeridade tivesse terminado”

À saída da reunião com no Ministério das Finanças, a presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) disse que a austeridade para os trabalhadores da administração pública deve terminar. Helena Rodrigues diz que o sindicato não sabe como vai efectivar-se o descongelamento das progressões de carreira

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) disse esta sexta-feira que o Governo manifestou a intenção de reduzir o período de faseamento das progressões nas carreiras da administração pública a menos de quatro anos, mas não deu garantias.

"O que o Governo diz é que tudo fará para encurtar o prazo de quatro anos. É uma intenção. Não houve garantia de que seja menos de quatro" anos, disse aos jornalistas Helena Rodrigues, à saída de uma reunião no Ministério das Finanças com os secretários de Estado do Emprego Público, Fátima Fonseca, e do Orçamento, João Leão.

"Não conseguimos saber se são três [anos] em vez de quatro ou dois em vez de quatro", afirmou a dirigente sindical, revelando que há nova reunião marcada para a próxima quinta-feira.

Helena Rodrigues disse ainda que ficou sem saber "quem vai ter esse faseamento" e também "o que vai representar no bolso de cada um" dos trabalhadores.

Segundo contou, na reunião o secretário de Estado do Orçamento reafirmou que o encargo anual previsto com o descongelamento é de 200 milhões, valor que não tem em consideração as contribuições e os impostos que os trabalhadores vão pagar.

"Em termos líquidos, o descongelamento representará um encargo de 100 milhões" para 450 mil trabalhadores, segundo as contas do STE, acrescentou Helena Rodrigues.

"Temos o compromisso do Governo que de que irá estudar e apurar as contas para dizer qual é o período de faseamento", sublinhou a sindicalista, para quem "há coisas que não estão a ser ditas".

Os sindicatos da administração pública estão esta tarde a ser novamente ouvidos pela equipa do Ministério das Finanças. Após o STE, será a vez da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) e da Frente Comum.