Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Não foi por dar mais horas a uma ou outra disciplina que os resultados se alteraram”

O secretário de Estado da Educação promete mais formação contínua de professores e mais acompanhamento das escolas para melhorar os desempenhos dos alunos

O secretário de Estado da Educação, João Costa, não esconde a "preocupação" com os fracos resultados obtidos pelos alunos do 2º, 5º e 8º anos, pede às associações de professores e sociedades científicas que também façam a sua análise e garante que o Ministério irá tomar algumas medidas desde já. O alargamento de ações de formação contínua de professores nas áreas do Português, Matemática e Ciências e um acompanhamento mais próximo das escolas que revelaram mais dificuldades são duas delas.

Em declarações aos jornalistas, João Costa defendeu a escolha pela realização das provas de aferição a meio dos ciclos de ensino e não nos anos terminais como forma de detetar mais cedo as dificuldades dos alunos e de intervir quando ainda estão nesse mesmo ciclo.

Em rutura com o ex-ministro da Educação Nuno Crato (defensor do modelo de exames nacionais no 4º e 6º anos com peso na nota final em vez de provas de aferição), João Costa também defendeu a ideia de que as dificuldades evidenciadas a Matemática e Português, mostram que “não é por se ter aumentado o número de horas a uma ou outra disciplina que os resultados se alteraram por si só”. Mais eficaz, acredita, é dar às escolas a capacidade de fazerem alguns ajustamentos e dedicarem mais ou menos horas às áreas onde entendam que é necessário, tal como se prevê o no projeto de flexibilidade curricular que está a ser testado em 235 escolas.

“Numa turma os alunos podem ter mais dificuldade a Português, noutra a Matemática. E não cabe à Administração dar uma resposta uniforme”, argumentou.

O Ministério vai também pedir à estrutura de missão do Plano Nacional de Promoção Escolar um estudo do impacto das muitas medidas que as escolas tiveram de definir no ano passado para melhorarem os resultados dos seus alunos. As mais eficazes serão depois partilhadas com os outros agrupamentos.