Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Ainda há 9 vagas para cursos superiores de Medicina

Paulo Vaz Henriques

Lista dos lugares disponíveis na 2ª fase do concurso nacional de acesso, que ainda está a decorrer, foi atualizada esta quarta-feira. Vários cursos e escolas que já estavam esgotados na 1ª fase têm ainda algumas vagas

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Educação e Ciência atualizou esta quarta-feira o número de vagas disponíveis na 2ª fase do concurso nacional de acesso a universidades e politécnicos e, de acordo com as novas listas, há ainda nove lugares para atribuir em vários cursos de Medicina. A maioria (cinco) pertence à Universidade da Beira Interior. Há ainda duas vagas em Coimbra, uma na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa e outra no ciclo básico de Medicina dado nos Açores.

Apesar de estes cursos serem dos mais procurados, o facto de haver sempre casos de alunos que acabam por não se inscrever faz com que o número de vagas sobrantes aumente muito em relação ao momento em que são divulgadas colocações da 1ª fase.

Assim, em vez das seis mil vagas sobrantes, os alunos que estejam em condições de se candidatar ao ensino superior têm quase 11.500, sobretudo em institutos politécnicos. Mesmo quem já tenha apresentado a sua candidatura tem até dia 22 (próxima sexta-feira) para a alterar.

Escolas que estavam esgotadas – como as de Enfermagem de Lisboa, Porto e Coimbra ou a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril – e cursos que tinham ficado com todas as vagas ocupadas na 1ª fase, como algumas engenharias, Direito, Medicina Dentária ou Economia podem ainda receber mais alunos.

A 1ª fase de acesso registou uma subida significativa de colocações em universidades e politécnicos públicos, com quase 45 mil estudantes a garantir o ingresso. Há sete anos que o valor não era tão alto.

Os resultados da 2ª fase são divulgados a 28 de setembro. O Governo estima que, no final das três fases do concurso nacional e de todos os regimes e vias especiais de ingresso, o número de novos estudantes a frequentar o ensino superior atinja os 73 mil, aumentando assim 10% em relação a 2016.