Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Há empreiteiros a cobrar o dobro para recuperar casas em Pedrógão

A reconstrução das primeiras habitações está avançar na zona do incêndio, mas há queixas de que os preços cobrados pelos empreiteiros estão a aumentar

nuno botelho

“Agora é que os preços estão justos”, diz ao Expresso um dos empreiteiros que estão a reconstruir habitações na zona afetada pela tragédia

Algumas das principais entidades promotoras da reconstrução das habitações na zona do grande incêndio de Pedrógão estão surpreendidas com os aumento dos valores cobrados pelos empreiteiros da região para avançar com as obras: há casos em que o valor duplicou. As críticas ainda são feitas sob anonimato, mas as opiniões coincidem. Há mesmo quem garanta que os orçamentos em alguns casos chegaram a duplicar.

“Antes do fogo, os preços rondavam os 500 euros por metro quadrado, agora não se encontra nenhum empreiteiro local que aceite fazer uma obra por menos de 750 euros e alguns pedem até 950 euros por metro quadrado”, explica ao Expresso uma fonte que pediu para não ser identificada. Avançou ainda que os valores praticados são comuns aos construtores, concluindo mesmo que “parece estar tudo combinado”.

Outro representante de uma instituição responsável pela reconstrução das habitações diz que “tudo tem de ser discutido ao cêntimo com os empreiteiros e a experiência mostra que os orçamentos podem descer” após negociação. Quanto aos valores pedidos, esta fonte diz que os promotores “devem aos portugueses que fizeram as doações alcançar um preço razoável por metro quadrado”.

Quem ainda não reconhece a existência do problema é a direção da Associação de Empresas de Construção, Obras Públicas e Serviços (AECOPS), que, confrontada pelo Expresso, diz “não” ter “conhecimento nem do fenómeno descrito, nem do tipo de procedimentos que as ditas entidades promotoras estão a utilizar para consultar o mercado”.

António Pedro Ferreira

Já um dos empreiteiros da região discorda da conclusão de que os preços foram inflacionados. João Antunes, construtor civil em Pobrais, concelho de Pedrógão Grande onde morreram 11 pessoas, diz que “antes do fogo havia quem tivesse de colocar dinheiro do seu bolso para avançar com obras e, agora, os preços estão justos”. O pequeno empresário local está, para já, a reconstruir três habitações e a substituir um telhado e diz que “o que falta é chegar o dinheiro ao terreno”.

“Os preços que estão a ser praticados são normais. Se calhar, aumentaram um bocadinho, mas, feitas todas as contas, ao detalhe, deve andar tudo na mesma”, garante João Antunes. O empreiteiro explica ainda que, com a crise, os preços tinham estagnado e que, antes do incêndio, eram praticados valores de há uma década, “o que fez com que muitas empresas tivessem ido à falência”. E agora, com a maior procura, terão sofrido ajustamentos.

O empreiteiro argumenta também que um fator que está a encarecer os orçamentos é a necessidade de demolir muitas das habitações afetadas pelo fogo, decisão, à partida, rejeitada pelos proprietários. “As pessoas preferem reconstruir, mas é um engano, muitas vezes fica mais barato deitar abaixo e fazer de novo do que reconstruir”, explica João Antunes.

Diz não ter ouvido queixas das entidades promotoras, para concluir que “para quem paga, a obra é sempre cara”. E alerta que, “como diz o ditado, não há fartura que não dê em miséria”, antecipando um agravamento da situação económica na região dentro de alguns anos, com as dificuldades para as pessoas que viviam da indústria florestal.

António Pedro Ferreira

A outra queixa que se faz ouvir sobre a reconstrução diz respeito à falta de mão de obra disponível na zona. Já há entidades promotoras a procurarem recursos humanos nas zonas limítrofes, mas, explicam, “não é fácil porque áreas como a Sertã também foram afetadas e também têm as suas reconstruções para avançar e, por isso, não há trabalhadores disponíveis”. Uma fonte contactada pelo Expresso, que também pediu anonimato, refere a necessidade de dar seguimento às obras, “alimentando a economia local e empregando pessoas da região, sem que esse objetivo coloque em causa a reconstrução”.

O último balanço aponta para que estejam concluídas 18 habitações, estejam a avançar obras em 26 casas e 14 intervenções vão arrancar a muito curto prazo. A estas, seguir-se-ão mais 15 habitações.