Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

"O combate contra práticas humilhantes como as praxes tem de continuar"

Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Alberto Frias

O ministro do Ensino Superior lembra a iniciativa em curso "exarp - dar a volta à praxe", que pretende incentivar o recurso a atividades alternativas de integração dos novos estudantes

O ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, tem sido uma das vozes mais críticas contra os abusos praticados nas praxes do ensino superior e, em declarações ao Expresso, diz que poderão "sempre contar" com a sua ajuda no "combate contínuo e sistemático que tem de ser feito em relação a práticas humilhantes como as praxes".

"Com o início de mais um ano letivo, é mais uma vez importante que todos os atores sociais, desde os estudantes e seus dirigentes académicos e comunidade civil, se mobilizem contra as manifestações de abuso, humilhação e subserviência, sejam elas no espaço público ou dentro das instituições", lê-se na nota enviada às redações que acompanhou a divulgação das resultados das colocações no ensino superior.

Foi na sequência da denúncia de várias práticas abusivas e das tradicionais imagens de praxes de receção aos caloiros que a Direção-Geral do Ensino Superior lançou o movimento exarp (praxe ao contrário). Com esta iniciativa, explica o Ministério, pretende-se "valorizar a integração dos jovens no ensino superior, sem pretensões paternalistas de condicionar o modo como os estudantes interagem, convivem ou se divertem, mudando consciências e desfazendo mitos".

No site www.exarp.pt os estudantes encontram as iniciativas culturais, desportivas, científicas, socais que vão ser desenvolvidas pelas instituições de ensino e associações de estudantes e que pretendem ser uma alternativa de integração às praxes. As primeiras acontecem já na segunda-feira.

  • Há sete anos que não entravam tantos alunos no ensino superior

    Quase 45 mil alunos já asseguraram lugar numa universidade ou politécnico público na 1ª fase do concurso nacional de acesso. É o valor mais alto desde 2010 e o quarto ano de subidas consecutivas nas colocações. Mais de 80 cursos exigiram um mínimo de 16 valores como nota de ingresso. Três engenharias voltam a liderar a lista de médias de entrada mais elevadas

  • 40% dos jovens de 20 anos estão no ensino superior

    Maioria dos alunos do ensino profissional continua a não prosseguir estudos. Só 15% se inscreve numa instituição de ensino superior depois de terminar o secundário, a maior parte para fazer cursos que não dão o grau de licenciado mas um diploma de técnico superior