Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Música para todos os gostos

Juntámos cinco sistemas que privilegiam diferentes abordagens ao som. Em comum, o fato de suportarem a música sem fios embalada pelo Bluetooth e o facto de poderem interagir com chamadas telefónicas. Melómanos: está na altura de abrirem bem os ouvidos e escolher aqui o vosso principal sistema sonoro sem fios

O som também tem cor

JBL Pulse 3, €249

JBL Pulse 3, €249

O ano passado gostámos muito de ouvir e ver a Pulse 2. Era a primeira coluna de som portátil que tinha um sistema de luzes que reagia com a música. Aquilo que, a início, parece ser um pouco “azeiteiro” transforma-se numa excelente experiência assim que apagamos as luzes e vemos a coluna mudar de cor.

Na Pulse 3 a JBL foi mais longe e criou aquilo que parece, claramente, um candeeiro de lava do século XXI – quem não sabe do que falamos faça uma busca na Internet por “lava lamp”. Agora, imagine algo desse tipo que tem na base uma coluna que reproduz som a 360°. O que permite que não se tenha de preocupar muito com a posição onde a vai colocar: afinal, o som é projetado para todo o lado.

A questão pertinente é perceber que o fabricante abdicou de muito espaço para colocar os tais LED que produzem o efeito visual muito conseguido. E toca bem? Sim. Tem volume e o som está equilibrado. Nota-se, claramente, que as frequências médias e graves são as mais privilegiadas. Sofrem estilos de música como a clássica, por exemplo, onde temos mais destaque à voz e o resto do som fica mais embrulhado. O jazz também carece daqueles agudos que tanto gostamos de ouvir na tarola e nos pratos da bateria. Rock, pop e eletrónica são os estilos mais agraciados pelo sistema.

O volume é generoso e conseguimos puxar por ele à vontade sem notar qualquer tipo de distorção. Não dá para fazer um festival de verão, mas anima, e bem, um piquenique, um pequeno sunset ou uma festa de garagem – mas alguém ainda faz disto?

Ao instalar uma app da JBL passa a ser possível controlar os efeitos de luz (mas nesta versão perdeu-se a possibilidade de ter som adequado. Ou seja, o efeito “fogueira” além de mostrar tons de vermelho e laranja também reproduzia o crepitar da lenha. Uma pena). Há vários e podem ser personalizados. Além disso, pode ativar-se o suporte para os assistentes de voz da Google e da Apple. Isto tem a ver com o dispositivo que está a ser usado para controlar a Pulse 3. No teste que fizemos, em Android, tudo correu bem. Mas a funcionalidade não é muito útil. Temos de pressionar um botão para a ativar e depois os resultados são mostrados no ecrã do smartphone – ora, basta tocar num botão do telefone e o efeito é o mesmo.

O que gostamos de comprovar foi a possibilidade de ligar dois telefones em simultâneo (ou tablets) o que permite que existam outros “djays” disponíveis. Em termos de autonomia, conseguimos perto de 10 horas reprodução com música e luz. No entanto, não foi possível fazê-lo de forma contínua.

Em suma, a Pulse 3 é uma coluna de som que não vai deixar ninguém indiferente, mas que tem um público-alvo específico e que gosta mesmo muito de luzinhas a piscar.

Nota: 4
magnelusa


A mala sonora

Harman/Kardon Omni 50+, €549

Harman/Kardon Omni 50+, €549

Esta coluna toca tão bem! Som quente, equilibrado e com dinâmica suficiente para conseguir alguma clareza nas frequências mais agudas. O volume tão é generoso e sem distorção. Os diferentes tipos de música desfilaram muito bem neste sistema. Mas não esquecemos um concerto acústico ao vivo de Don Henley que aqui soou muito bem tendo em conta a dimensão da coluna. Infelizmente, não temos a qualquer tipo de equalização, mas é preciso referir que os audiófilos vão gostar de saber que há suporte para áudio de Alta Resolução (24-bit/192kHz).

Quem tem acesso a esse tipo de ficheiros vai gostar de saber que a Omni 50+ os vai suportar. E é preciso falar do design desta coluna. Estamos perante aquilo que quase parece uma mala de cantos arredondados. Isto, assim que reparamos na útil pega que é formada pela reentrância traseira do chassis. É aí que devemos segurar para transportar a coluna que tem bateria incluída. A tocar continuamente, conseguimos 3 horas por Bluetooth. Ah! E é preciso dizer que a Omni é resistente a salpicos de água – não dá para mergulhar, mas pode apanhar chuva.

Se quiser investir em mais colunas Omni, fique a saber que elas podem funcionar em equipa usando a rede Wi-Fi. Finalmente, destacar que há suporte de raiz para Chromecast e Spotify Connect – é só ligar e começar a ouvir música. Sem dúvida, uma das melhores colunas desta gama de preço que já tivemos oportunidade de testar.

NOTA: 4,5
magnelusa

A barra colorida

Sony SRS-XB30, €180

Sony SRS-XB30, €180

A nova geração de colunas Bluetooth da Sony tem alguma cor. Seja no chassis, seja no LED que rodeia esta elipse. É essa a forma do pequeno, mas robusto sistema que é possível transportar para todo o lado e ficar descansado porque a coluna é resistente e à prova de água – boa para ter perto da piscina. A bateria, num teste de audição contínuo com as luzes desligadas, permitiu-nos 13 horas de audição. Sendo que era possível continuar a ouvir, mas o som ficou muito baixo.

E como é o som desta Sony? Assim-assim. Por um lado, gostamos do facto de poder realçar os graves (carregando no botão Extra Bass). Isto resulta nos estilos de música mais populares e mais atuais. No entanto, Jazz, Clássica, concertos acústicos ou gravações que destacam muito a voz; são lesados por um som que tem tendência para ficar algo embrulhado.

Ou seja, a coluna tem dificuldade em diferenciar as frequências e acaba por fazer o mais fácil: amplifica os graves. E isto é mau? Se estiver a ouvir as músicas que estão agora no Top… não! Aí, pode ouvir-se alto e em bom som. Não há receio de perder muita informação. Nos estilos de música já referidos, aconselhamo-lo a não exagerar no volume e a desligar o tal Extra Bass.

Também aqui é possível adicionar mais colunas e é necessário referir que o transformador não é USB (numa coluna deste preço e gama faria sentido que fosse), mas há uma porta USB para poder carregar o smartphone em caso de emergência. Uma boa coluna, mas por este preço a concorrência é forte e a JBL, por exemplo, tem uma oferta muito competitiva.


NOTA: 4
Sony

Uma questão de estilo

AKG N60 NC Wireless, €299

AKG N60 NC Wireless, €299

Viaja muito de avião? De metro? De comboio? Uma resposta afirmativa a qualquer uma destas questões significa que está habituado a lidar com o ruído e deve, certamente, andar em busca de uma solução que permita abafar esse ruído e permitir-lhe ouvir a sua música com todo o conforto. É esse o objetivo destes auscultadores da AKG.

Os N60 dobram-se facilmente (os phones recolhem) para que os possa colocar na mala sem ter de fazer concessões de espaço. Pode usá-los livremente optando pelo Bluetooth ou, caso fique sem bateria, pode optar por ligar o cabo fornecido. Aliás, na embalagem até vem um adaptador para que ligue o dispositivo ao sistema sonoro dos aviões – costumam ter aquela entrada dupla para jack de 3,5 mm. Há botões para controlar o volume e as chamadas, e para interagir com as músicas.

Mas o mais importante é mesmo o cancelamento de ruído. O botão está sempre ativo quando se liga o sistema por Bluetooth. No entanto, quando é ligado cabo (o Bluetooth é desligado automaticamente para poupar bateria) pode optar entre ter, ou não, o cancelamento de ruído ligado.

Nos nossos testes (só experimentámos em ambientes com ruído de pessoas, eletrodomésticos – como ar condicionado, por exemplo) o sistema funcionou muito bem. Claro que eliminar vozes não é o forte deste tipo de tecnologia, mas mesmo assim os resultados foram muito bons. Acreditamos que no avião serão ainda melhores.

Em termos de qualidade de som, gostámos muito da não existência de distorção nos volumes altos e da forma como os graves se mantiveram robustos nos vários tipos de música que ouvimos. Aqui, fizemos um teste diferente e reproduzimos um filme a partir de um tablet (utilização típica de transporte). Tudo correu bem e foi surpreendente ver como as vozes ficaram nítidas. Não temos testado muitos auscultadores com cancelamento de ruído e, no último ano e meio, não nos recordamos de nada tão equilibrado quanto estes AKG.

NOTA: 4
magnelusa


Direito ao assunto

Monster iSport Victory, €199

Monster iSport Victory, €199

E agora para algo completamente diferente. Estes pequenos auscultadores foram desenhados para os desportistas (independentemente do seu nível de dedicação). Os Victory ficam bem seguros às orelhas o que nos permite mexer a cabeça com toda a segurança que eles não vão cair.

A ligação é feito por Bluetooth e é importante referir que, ao contrário de muitos phones deste tipo que já testámos, estes não perdem a ligação com o telefone ou com o relógio desportivo quando estamos a fazer movimentos. Quer isto dizer que se estiver, por exemplo, a usar um relógio com música, a ligação vai manter-se estável mesmo quando baixa muito o braço ou quando está a movimentá-lo em corrida.

A qualidade de som é surpreendente e até é possível mudar entre duas equalizações possíveis. O volume é generoso e a forma como o sistema fica muito bem seguro às orelhas contribuiu para um isolamento exterior. A combinação destes dois fatores vai exigir uma atenção extra aos desportistas que usam zonas públicas para os seus exercícios. O Victory é resistente à transpiração e bastante leve. A bateria vai permitir umas boas cinco a seis horas de utilização intensa.

NOTA: 4,5
Magmedia