Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

40% dos jovens de 20 anos estão no ensino superior

Rui Duarte Silva

Maioria dos alunos do ensino profissional continua a não prosseguir estudos. Só 15% se inscreve numa instituição de ensino superior depois de terminar o secundário, a maior parte para fazer cursos que não dão o grau de licenciado mas um diploma de técnico superior

O valor foi atingido este ano, representa uma melhoria considerável face ao passado recente, mas ainda está aquém do que se passa noutros países europeus: "Neste momento, 40% dos jovens de 20 anos participam no ensino superior. É muito bom, melhor do que acontecia há alguns anos, quando o valor era de três em cada 10. Mas temos ainda um percurso a percorrer e temos de garantir que mais jovens frequentam e concluem o ensino superior. As sociedades com as quais gostamos de nos comparar têm números superiores", afirma o ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor.

A verdade é que se a grande maioria - 80% - dos alunos que concluem o ensino secundário através dos cursos científico-humanísticos (gerais) seguem para o ensino superior, o mesmo não se passa com os colegas de outras vias, em particular com os que optaram pelos cursos profissionais.

De acordo com os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, dos 23 mil que terminaram um curso profissional em 2014/15, no ano seguinte apenas 15% estavam em instituições de ensino superior. Ou seja, quase 20 mil deixaram de estudar uma vez concluído o 12º ano.

Entre os que prosseguiram, a maioria inscreveu-se num curso de especialização tecnológica ou num curso técnico superior profissional. Estas formações curtas (de dois anos) dão direito a um diploma de técnico superior. Ainda segundo os mesmos dados, apenas 5% dos alunos que concluíram cursos profissionais conseguiram entrar numa licenciatura.

Manuel Heitor lembra que os valores estão a subir - "há uns anos eram praticamente zero" -, reconhecendo, no entanto que este é um desequilíbrio que demorará a corrigir.

A ideia do Governo é assegurar, pelo menos, que cada vez mais alunos optem por cursos Técnicos Superiores Profissionais (Tesp), dados nos institutos politécnicos e em que os concursos de acesso são organizados pelas próprias instituições. E que metade destes estudantes acabem depois por inscrever-se numa licenciatura, beneficiando para isso de regras de acesso específicas (sem exames nacionais, por exemplo).

No passado ano letivo, os Tesp já contavam com mais de 11 mil inscritos. Para 2017/18, os politécnicos públicos estimam vir a receber quase sete mil novos alunos.

Meta europeia por cumprir

Outra das metas que tem vindo a melhorar, mas cujo objetivo para 2020 não deverá ser atingido prende-se com a população entre os 30 e os 34 anos com um diploma de ensino superior.

Segundo o ministro, neste momento 35% deste grupo etário tem, no mínimo, uma licenciatura. A meta europeia fixou os 40% a atingir até ao ano de 2020.

Os jovens de 18 e 19 anos que estão agora a entrar na universidade já não vão a tempo de entrar para estas estatísticas, pelo que o atraso teria de ser recuperado graças à atração, sobretudo para estes cursos superiores de curta duração, de trabalhadores à volta dos 30 anos sem ensino superior.

Também por isso foi pedido aos politécnicos que invistam na oferta de Tesp, explica ainda Manuel Heitor.