Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Pedrógão Grande: GNR não recebeu ordem para encerrar EN 236-1

Na Estrada Nacional 236-1, para sempre a Estrada da Morte, tenta-se apagar os rastos de cá por lá perdeu a vida

Foto Luís Barra

Decisão de cortar a estrada terá sido tomada apenas depois de se saber das mortes

A GNR não recebeu qualquer “decisão operacional” sobre a necessidade de encerramento da Estrada Nacional 236-1 durante o incêndio que deflagrou a 17 de junho em Pedrogão Grande, tendo encerrado esta via após a localização de vítimas mortais.

Esta uma das resposta do Governo às 25 questões colocadas pela presidente do CDS/PP sobre o incêndio que provocou a morte 64 pessoas e ferimentos em mais de 200.

“Segundo a GNR, até ao momento em que se verificaram as mortes, não foi comunicada àquela Força de Segurança qualquer decisão operacional relativa à necessidade de encerramento da estrada N236-1, não tendo sido recebida qualquer informação que alertasse para uma situação de risco, potencial ou efetivo, em circular pela via em causa”, lê-se no documento.

Nas respostas enviadas a Assunção Cristas, o Governo refere que, de acordo com aquela força de segurança, “a decisão de cortar a estrada N236-1 foi tomada apenas após a localização das vítimas mortais, por volta das 22:15 de 17 de junho”.

O Governo esclarece que o número de vítimas mortais na EN 236-1 foi de 33 (30 num pequeno troço da via e três alguns quilómetros adiante), tendo os restantes 14 morrido “em estradas e caminhos de acesso à EN 236-1, para a qual se dirigiriam em fuga do incêndio”.

Para a GNR, é necessário “confirmar se as viaturas que circulavam na EN 236-1, no momento da tragédia, entraram na referida via provenientes do IC8 ou a partir de múltiplos caminhos e estradas de pequenas localidades existentes nas proximidades (Vila Facaia, Nodeirinho, Várzeas, Pobrais e Alagoa), tentando sair das zonas afetadas pelos incêndios”.

Às 21h00 do dia 17, a Guarda Nacional Republicana tinha 17 patrulhas compostas por 37 militares, apoiadas por 19 viaturas e 19 rádios SIRESP, que fizeram vários cortes de trânsito ao longo do IC8.

Segundo informações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) prestadas ao Governo, pelas 22h45, o comandante operacional nacional solicitou o reforço de militares da GNR no teatro de operações.

Nas respostas enviadas ao CDS/PP é ainda referido que, no caso da GNR, “o único meio alternativo de comunicação” foi o telemóvel, tendo o recurso a esta via também sido afetado.

  • Costa já acha “relevante apresentar” respostas à tragédia de Pedrogão

    Primeiro-ministro enviou ao Parlamento as 21 respostas às perguntas colocadas pelo CDS sobre o que correu mal no incêndio de Pedrógão. No site oficial do Parlamento, António Costa reafirma “manter a confiança política” na ministra da Administração Interna e divulga as primeiras conclusões que o Governo tirou: a EN 236-1 só foi fechada depois de conhecidas as mortes e o comando das operações só foi feito a nível nacional entre as 22 horas de sábado, dia 17 de junho, e as 21 horas de domingo