Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Portugal e Índia criam Aliança Espacial para desenvolver microssatélites

Populares observam lançamento do satélite INSAT-3DR da base espacial de Sriharikota, no estado de Andhra Pradesh, no sudeste da Índia

ARUN SANKAR/GETTY

É uma das iniciativas dos acordos de cooperação Portugal-Índia em ciência, tecnologia e ensino superior assinados em Lisboa. E figura num Memorando de Entendimento entre os governos dos dois países de "Cooperação na Exploração e Utilização do Espaço Externo para Fins Pacíficos" nos próximos dez anos

Virgílio Azevedo

Virgílio Azevedo

Redator Principal

Aliança Espacial Índia-Portugal é o nome da nova parceria que vai ser criada até ao fim de 2017 entre os dois países com o objetivo de desenvolver microssatélites, aumentar o alcance das aplicações de observação da Terra e promover novos serviços de lançamento para o espaço, incluindo o futuro Porto Espacial dos Açores.

Esta é uma das iniciativas dos acordos de cooperação Portugal-Índia em ciência, tecnologia e ensino superior assinados a 24 de junho, quando o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, esteve em Lisboa. E figura no Memorando de Entendimento entre os governos dos dois países de "Cooperação na Exploração e Utilização do Espaço Externo para Fins Pacíficos" nos próximos dez anos.

A cooperação será concretizada através de projetos de investigação conjuntos, da criação de estações terrestres para apoiar lançamentos de foguetões e missões por satélite, do desenvolvimento de micro e minissatélites para fins científicos e comerciais, e do desenvolvimento de um pequeno veículo de lançamento que reduza o impacto ambiental e proteja a segurança das operações espaciais.

Estratégia nacional "Portugal Espaço 2030"

O tema será abordado no debate sobre a estratégia nacional "Portugal Espaço 2030" no Ciência 2017 - Encontro Nacional com a Ciência e Tecnologia, que vai reunir 3000 investigadores, técnicos, empresários, gestores e professores no Centro de Congressos de Lisboa de 3 a 5 de julho.

A estratégia portuguesa para o espaço define 11 projetos-piloto sobre recolha, gestão e privacidade de dados; monitorização do desenvolvimento do interior do país centrada no uso de dados; rastreio de objetos espaciais; reforço da segurança interna e do combate ao terrorismo; difusão massiva de conteúdos educacionais em português usando satélites de comunicações; monitorização do estado das estradas, pontes e barragens; prevenção de epidemias; vigilância dos parques eólicos; gestão da biodiversidade e do desenvolvimento urbano; prevenção dos fogos e gestão das florestas; e monitorização do clima, apoio à pesca e promoção da segurança marítima.

Esta estratégia pretende também desenvolver uma nova geração de satélites que forneçam dados, aplicações e serviços espaciais, através de parcerias com o Luxemburgo (telecomunicações), Espanha (foguetões), França (microssatélites), Reino Unido (constelações de nanossatélites), Alemanha (criação de empresas e financiamento privado), Índia (microssatélites e foguetões) e EUA (observação do oceano Atlântico e desenvolvimento de infraestruturas).

Cooperação no ensino superior e nas nanotecnologias

Os acordos entre Portugal e a Índia abrange também outras áreas. Assim, foi também assinado a 24 de junho em Lisboa, entre a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e três institutos de tecnologia indianos, um Memorando de Entendimento de "Cooperação no âmbito do Ensino Superior e da Investigação Científica", que envolve ações conjuntas em doutoramentos, mestrados e licenciaturas, assim como projetos de investigação em várias áreas. Este acordo é semelhante à parceria que existe entre o nosso país e o Massachusetts Institute of Technology (MIT), dos EUA, o Programa MIT Portugal.

O intercâmbio de conhecimentos científicos e técnicos no domínio da ciência dos materiais e das nanotecnologias foi igualmente objeto de um Memorando de Entendimento assinado entre o INL Portugal (Instituto Ibérico de Nanotecnologia, com sede em Braga) e o Jawaharlal Nehru Center fo Advanced Scientific Research da Índia. E no campo da bioengenharia e medicina regenerativa, o mesmo aconteceu entre a Universidade do Minho, o National Center for Biological Sciences e o Institute for Stem Cell Biology and Regenerative Medicine indianos.

"A cooperação entre Portugal e a Índia é importante em termos nacionais e europeus, porque estamos a abrir ao mundo a ciência que se faz no nosso país", afirma ao Expresso o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Manuel Heitor sublinha que o a agência espacial indiana "é a agência que mais satélites tem lançado para o espaço nos últimos anos, com o desenvolvimento de programas espaciais muito virados para os utilizadores em áreas como a agricultura, florestas, pescas, gestão das cidades, clima ou transportes".