Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Número de chumbos volta a baixar em quase todos os anos de ensino

Marcos Borga

No ensino básico, o 7.º ano continua a ser aquele em que mais alunos ficam retidos

A taxa de chumbos nas escolas públicas e privadas voltou a cair no passado ano letivo, de acordo com os dados divulgados esta sexta-feira pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação. No caso do 2º ano, um dos que levanta mais preocupações pelo considerável número de crianças que ficam retidas logo aos 7/8 anos, a taxa de retenção caiu para os 8,9%. Em 2013/14 um em cada dez alunos tinha chumbado.

A descida estende-se a quase todos os anos de escolaridade. A exceção acontece apenas no 10º (16,5% de chumbos contra 15,1% em 2014/15) e no 4º ano, em que o valor se manteve nos 2,5%.

Considerando apenas o ensino básico, o momento mais complicado continua a ser o 7º, ainda que também aqui se tenha registado uma quebra significativa: de 15,4% para 12,6%.

Avançando para o ensino secundário, há mais boas notícias. No 12º, voltou a atingir-se um novo recorde. Olhando apenas para os cursos gerais, em que se realizam exames nacionais, o não aproveitamento ficou pela primeira vez abaixo dos 30%. Já no caso dos cursos profissionais, a taxa continua a ser um pouco mais baixa e caiu quase quatro pontos percentuais, fixando-se nos 25,1%.

O objetivo inscrito no programa do Governo aponta para uma redução para metade do insucesso no ensino básico ao longo da legislatura. O ano letivo de 2014/15 terminou com 7,9% de chumbos, o que implicará chegar a 2019 com cerca de 4%.