Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“O (verdadeiro) epicentro de Harry Potter”

J.K. Rowling viveu no Porto. Foi professora. A passagem foi curta, mas quem se cruzou com a escritora britânica garante que a experiência foi marcante e reflete-se no que escreveu. “Ali, teve muito boa matéria-prima para escrever sobre uma escola e a relação entre professores e alunos”. Tratam-na por Joanne ou por professora Jo. Foi assim que sempre a conheceram e é assim, mais de 20 anos passados, que a continuam a ver

Marta Gonçalves

Marta Gonçalves

Texto

Jornalista

Lucília Monteiro

Lucília Monteiro

Fotos

Fotojornalista

Nuxo Espinheira e Tony Barros (em cima) e Vasco Espinheira e Joana Garcez (em baixo)

LUCILIA MONTEIRO

A noite era de diversão. Corria o final da década de 90 e, tal como acontecia com alguma frequência, Joana Garcez, 19 anos, foi sair com uns amigos. Uma das paragens foi no 100%, um bar do Porto, junto à Ribeira. Lá dentro, houve uma pessoa que lhe saltou à vista. Reconheceu de imediato os traços do rosto e o olhar. À sua frente estava a professora Joanne, que há uns anos tinha deixado repentinamente a escola sem despedidas ou avisos. Estava novamente ali e parecia (muito) feliz. Tinha novidades das boas: em breve, o primeiro livro iria ser publicado. O que ninguém sabia era o sucesso que teria e a marca que viria a deixar na literatura. “Harry Potter e a Pedra Filosofal” tornar-se-ia num dos livros mais vendidos de sempre.

“Na altura, sabia que a Jo escrevia. Até saber que era famosa, até ter noção naquilo que se transformou, tinha apenas a ideia de que escrevia histórias infantis”, recorda Joana, hoje com 40 anos. “Quando a encontrei, a Jo devia ter vindo a Portugal por um motivo qualquer. Agora, já ninguém vai para Ribeira sair à noite, mas na altura saía-se muito para lá, havia uma série de barzinhos”, acrescenta.

Joana foi aluna de Jo durante dois anos

Joana foi aluna de Jo durante dois anos

LUCILIA MONTEIRO

Nessa noite ficaram ali. Beberam uns copos, conversaram, dançaram e falaram. Joana só voltou a encontrar Jo anos mais tarde, quando esta já era J.K.Rowling. Via-a em imagens na internet. Nem queria acreditar. A professora de outros tempos era uma autora de sucesso mundial, que escrevia sobre um jovem feiticeiro.

A passagem pelo Porto de J.K não é segredo para ninguém. Foi repentina, intensa e dura. Envolveu um casamento, um divórcio, um parto, uma filha e os primeiros capítulos de um livro. Mais do que uma vez já falou desta fase, chamou-lhe “um período negro” em que tudo tinha falhado.

Chegou a Portugal após a morte da mãe, tentava fugir dos problemas em Manchester, onde nasceu. Viu um anúncio colocado no jornal britânico “The Guardian”. A escola de línguas Encounter English estava a precisar de professores para ensinar inglês aos mais novos. Aquela foi a oportunidade para seguir um novo caminho e, quem sabe, mudar de vida.

A “doce e meiga” professora Jo

Arrancava o ano letivo de 1991. Uma nova professora chegava ao Encounter English. Naquele primeiro dia, a mulher de cabelos longos, com tom entre o loiro e o ruivo, entrou no número 604 da Avenida Fernão Magalhães, bem no centro do Porto. Atravessou o arco, passou a porta estreita e subiu as escadas de madeira em L. Lá em cima, na primeira sala à direita, tinha à espera um grupo de miúdos que queriam saber inglês.

“Olá, eu sou a Jo”, disse assim que entrou na sala. “Mas Jo é nome de homem”, atirou logo Daniel Espinheira, mais conhecido por Nuxo. A turma riu-se. “Não é Jo de Joe. É Jo, diminutivo de Joanne”, apressou-se a explicar meio atrapalhada e envergonhada. Na altura, no alto da sabedoria dos seus 14 anos, o rapaz achou imensa graça meter-se com a professora que acabava de chegar. Um episódio que ficou também bem gravado na memória de Joanne (mas já la vamos).

A fachadA do antigo edifício do Encounter English. A janela da sala de Nuxo é a da esquerda no primeiro andar

A fachadA do antigo edifício do Encounter English. A janela da sala de Nuxo é a da esquerda no primeiro andar

LUCILIA MONTEIRO

“Os rapazes estavam todos muito entusiasmados porque era muito gira. O típico naquela idade”, recorda divertido Nuxo, hoje com 40 anos. “Era supersimpática, tal como os outros professores lá da escola. Muito terra-a-terra”, apressa-se a acrescentaR.

Na mesma turma de Nuxo estava Joana. “Lembro-me perfeitamente da imagem dela, que era completamente diferente da que tem agora. Tinha cabelo comprido e pintado naqueles tons de vermelho escuro. Usava sempre cores escuras e tinha um estilo meio gótico. Vestia muito preto e pintava também os olhos com risco preto. Era muito doce, muito meiga e tinha um fantástico sentido de humor. Tinha aquele ar diferente e alternativo, que no Porto se via muito pouco”, recorda ainda.

Durante quase dois anos, no Encounter estava numa segunda casa. Joanne dava aulas a partir das 17h e os mais novos, dizia sem qualquer pudor, eram os seus alunos preferidos. O horário pós-laboral era tudo o que precisava: a claridade dos dias ficava toda para a escrita. Ia para os cafés e depois corria para escola, onde todas as ideias que tinha apontado no bloco de notas eram passadas para o computador. Foi ritual diário. Ao final de cada dia, J.K. Rowling, ou melhor, Joanne lá ia.

Diz quem a via dar aulas que tinha um jeito especial na forma como lidava com os miúdos. “Agora, em retrospetiva, é fácil perceber porquê. Preferia as crianças aos adultos”, comenta Tony Barros, 48 anos, também professor. Nunca um simples texto fotocopiado era só uma série de linhas com palavras. Jo fazia questão de ilustrar (“ela também tinha muito jeito para o desenho”, acrescenta).

“A Joanne estava sempre um pouco sozinha por opção ou então só a falar com uma pessoa. Recatada. Não era de grandes euforias ou agitações, mas sempre simpática e muito disponível. Via-se bem que era uma pessoa que vinha para cá fazer o que tinha a fazer, que tinha uma vida própria além do trabalho”, conta Tony.

As graças de Nuxo Espinheira ainda estão hoje gravadas na memórias de JK Rowling

As graças de Nuxo Espinheira ainda estão hoje gravadas na memórias de JK Rowling

LUCILIA MONTEIRO

A simplicidade, a empatia e a proximidade com os alunos eram características do Encounter, quase como uma espécie de diretiva da chefia. Havia tempo para brincar, conversar, ensinar e aprender. As aulas de 50 minutos passavam a voar.

“Uma vez, faltou a luz. Várias turmas cancelaram as aulas e a Jo perguntou-nos se queríamos continuar ou parar. Todos quisemos ter aula na mesma e achámos a situação mesmo divertida. Ela acendeu uma vela no meio da sala, fizemos um círculo à volta e estivemos a contar uma história. Uns começavam e os outros iam dando continuidade” recorda Joana, que de vez em quando não se escapava a um ralhete por ser mais irrequieta e ter a “mania de que era engraçadinha”. “Sentia que ela gostava de mim”, comenta.

“O epicentro de Harry Potter”

Quando se fala em Harry Potter no Porto, há pelo menos dois locais que saltam logo à ideia: a livraria Lello e o café Majestic. Depois, há quem diga que o título do primeiro livro também foi inspirado no poema “A Pedra Filosofal”, de António Gedeão, e que António de Oliveira Salazar influenciou a escolha do nome de um dos feiticeiros fundadores da escola de magia de Hogwarts: Salazar Slytherin. Muito se comenta, mas são poucas as confirmações.

“A livraria é um detalhe no meio de uma quantidade de coisas relacionadas com a cidade, sendo o epicentro o Encounter English. Apesar de publicamente o epicentro ser a Lello, o verdadeiro é o Encounter”, acredita Vasco Espinheira, 44 anos, irmão mais velho de Nuxo e também aluno da professora Jo. “Se pensarmos que os alunos dela éramos nós, é óbvio que para se inspirar foi buscar aquilo que conhecia. Ali, teve muito boa matéria-prima para escrever sobre uma escola e a relação entre professores e alunos”, acrescenta.

Tony Barros foi colega de Joanne na escola de línguas

Tony Barros foi colega de Joanne na escola de línguas

LUCILIA MONTEIRO

Garante quem lá passou que era bem diferente de qualquer outra escola. Os professores eram novos, dificilmente com mais de 30 anos, e isso facilitava a proximidade e até a amizade. Mas não significava que os alunos pudessem abusar. Longe disso. Se havia relaxe e boa disposição, também havia rigor e disciplina para estudar e passar nos exames.

A Escola de Magia e Feitiçaria de Hogwarts é um retrato daquela comunidade, daqueles alunos e das brincadeiras. Muitas vezes, os irmãos Espinheira chegavam uma hora antes do arranque das aulas só para estarem junto à secretaria na conversa com colegas e professores. Quase sempre o tema era o mesmo: música (aliás, ambos são agora músicos de profissão).

“Foi na altura do rock. Sim, falávamos muito de rock. Deve ter coincidido com o início dos Nirvana e o começo do grunge”, recorda Nuxo. A Portugal, os discos demoravam a chegar, quando chegavam. Ter britânicos ali tão perto que sabiam de música e conheciam melhor do que ninguém o que se passava lá fora, era tudo o que os jovens podiam desejar.

E assim, estavam a aprender sem saber que estavam a aprender.

Após as aulas, os miúdos demoravam a sair. Conversavam mais um pouco aqui, riam-se mais um tanto acolá. Paravam para se despedir de todos e para cumprimentar quem ainda não tinham visto.

Vasco recorda-se das alunas da professora Jo

Vasco recorda-se das alunas da professora Jo

LUCILIA MONTEIRO

“Devia ter o dobro da altura de um individuo normal e era, pelo menos, cinco vezes mais largo. Parecia maior do que era humanamente possível e verdadeiramente animalesco – os cabelos e a barba negros, ambos emaranhados, ocultavam-lhe a maior parte do rosto, as mãos pareciam tampas de caixotes do lixo e os pés, dentro de umas enormes botas de couro, lembravam dois golfinhos bebés. Nos braços fortes e musculados transportava uma trouxa de cobertores”, descreve Rowling ,na “Pedra Filosofal”, Hagrid, o guarda das chaves e dos terrenos da escola de feitiçaria, bem como uma espécie de figura paterna para Harry Potter. E é aqui que Vasco encontra enormes semelhanças: “É obviamente a imagem física do Steve. Os cabelos compridos, a barba, alto, forte e imponente. A que se junta a sabedoria e forma de falar de Albus Dumbledore [diretor de Hogwarts] ”.

Stephen Cassidy foi quem idealizou, projetou e dirigiu o Encounter English. Foi também ele que contratou Jo. Era a alma da escola. Passar no corredor por Steve era como cruzar-se com qualquer outra pessoa, a hierarquia era praticamente inexistente. “Ao contrário da escola portuguesa, alunos, professores e direção estava quase tudo na mesma linha e tudo funcionava”, comenta o Espinheira mais velho.

Das amizades daqueles tempos, muitas ainda continuam. Joana sabe quem é o Nuxo da sua turma e o irmão mais velho. O professor Tony lembra-se dos irmãos Espinheira. E todos eles recordam com Jo com saudade.

“Ainda hoje sou amigo de uma série de pessoas. Pode parecer um cliché, mas aquilo era mesmo quase como uma família, as pessoas queriam ir para lá”, comenta Nuxo.

A história de uma lembrança

Além da música, Vasco Espinheira dedica-se à organização de eventos. Há um ano, na Comic Com, em Matosinhos, o universo de Harry Potter voltou a aparecer-lhe de frente. Um dos participantes da convenção foi o ator Jason Isaacs, que nos sete filmes da saga interpreta Lucius Malfoy.

O trabalho de Vasco era acompanhar o ator ao longo de toda a estadia no Porto. Conversa puxa conversa, e eis que surge a pergunta: “É verdade que o Porto inspirou mesmo a história de Potter?” Depois, a troca de palavras foi por aí fora. Lá pelo meio, o portuense confessou que tinha sido aluno de Joanne e recordou alguns episódios de infância.

“Ouviu tudo com muita atenção. Passado um bocadinho, veio ter comigo e disse-me: olha aqui”, conta. No ecrã do telemóvel estava o WhatsApp aberto com uma mensagem de J.K. Rowling: “Claro que me lembro do Encounter e dos meus alunos. Eles gozavam com o meu nome, diziam que Jo era nome de homem”.

Vasco sabia perfeitamente qual a mente por trás daquela troça inocente. Foi o seu irmão mais novo, logo no primeiro dia de aulas. “É uma sensação boa e, ao mesmo tempo, não surpreende porque ela era muito terra-a-terra, meiga e verdadeira. Não é por ter o que tem, que lhe vai subir à cabeça. É bom saber que ainda se lembra das brincadeiras de cá”, comenta Nuxo.

LUCILIA MONTEIRO

Através de Jason, Vasco mandou fotografias. Jo pediu mais. Queria saber onde andavam os antigos que alunos que já não eram mais meninos e meninas. Reconheceu Nuxo, mas não se lembrava de Vasco. “Penso que foi uma das primeiras vezes que via a Jo interessar-se outra vez por Portugal”, comenta Vasco.

Nunca tentaram contactá-la após a saída da escola. Demoraram a perceber que a J.K. Rowling era a Jo deles. Quase duas décadas depois, voltaram a saber dela. Afinal de contas, isto resume-se apenas a uma coisa: saber da professora de que gostavam. Esse é o único interesse.

A professora que desapareceu

Era um dia de semana, estavam todos a trabalhar. Disso, Tony lembra-se bem. Jo precisava de ajuda. O casamento tinha acabado, segundo contam, com alguma violência. Rowling só pensava em fugir.

No Mini verde-garrafa de Tony, cheio com cinco pessoas, meteram-se ao caminho e foram buscar a filha de Joanne, a documentação e os poucos pertences que ficaram em casa da sogra quando de lá saiu a correr. Steve emprestou a Jo algum dinheiro, que poucos dias depois deixou o Porto rumo a Edimburgo. Era dezembro de 1993.

Não houve tempo para uma última aula, avisos ou despedidas. Os alunos ficaram em choque. Tal como uma pequena família, todos ali sabiam que existiam problemas. Pelos corredores da escola, falava-se e comentava-se o que poderia estar a acontecer ao casamento de Jo. Nunca pensaram que terminaria com a fuga desesperada de regresso ao Reino Unido.

Nunca mais ninguém a viu. Só Joana, naquele no bar da Ribeira. “Esperava, ao regressar de Portugal, trazer nos braços um livro escrito. Na verdade, voltei com algo melhor: a minha filha, Jessica”, publicou a escritora na página oficial anos mais tarde.

“Olho para ela e só vejo a minha professora. Apesar de estar muito diferente – hoje em dia é uma senhora -, consigo perceber nos olhos que não mudou, que continua a mesma pessoa meiga. Para mim, será sempre a professora Jo”, diz Joana.

Hoje, Joanne é J.K. Rowling para o mundo. Só para muito poucos, Joanne é Jo. Para Vasco, Nuxo, Joana, continuará sempre a ser a professora Jo.