Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Harvard continua ser a universidade mais prestigiada do mundo

Joe Raedle/Getty Images

Estados Unidos mantêm a liderança, mas as universidades asiáticas conquistam cada vez mais lugares no ranking da Times Higher Education que lista as 100 instituições de ensino superior com maior reputação. Portugal não figura nesta lista

Pelo sétimo ano consecutivo, a Universidade de Harvard (Cambridge, Massachusetts) foi considerada a mais prestigiada instituição de ensino superior a nível mundial, de acordo com o ranking da Times Higher Education (THE), publicado esta quarta-feira. O vizinho MIT (Massachusetts Institute of Techology) continua a segurar o 2º lugar e a Universidade de Sanford, também norte-americana, o terceiro. Aliás, não há novidades nas primeiras posições, com os Estados Unidos a assegurar oito dos 10 primeiros lugares.

No conjunto das 100 universidades listadas, 42 são norte-americanas. As britânicas Cambridge e Oxford (ex-aquo no 4º lugar) são as únicas a interromper a hegemonia dos EUA. Mas este não é o único dado que salta à vista no ranking das instituições mais prestigiadas e que resulta da avaliação feita por um painel de 10.500 académicos convidados de 137 países. São cada vez mais as instituições asiáticas a marcar presença. Neste top 100 figuram 28 universidades desta região, mais 10 do que no ano passado. Em contrapartida, a Europa Ocidental perde terreno e vê a sua representação cair de 29 para 27 instituições.

A ascensão asiática reflete-se, por exemplo, no facto de várias universidades chinesas terem ultrapassado instituições há muito afirmadas como o Imperial College London, a Universidade da Pennsylvania ou Cornell. Já a Universidade do Tóquio, no Japão, que subiu uma posição e ascendeu ao 11º lugar, ultrapassou a Universidade de Columbia em termos de reputação.

“O ranking reflete a competição cada vez maior no mundo académico, em que instituições de todas as regiões tentam afirmar-se no palco global”, comenta o editor da THE, Phil Baty. Coreia do Sul, Singapura, Taiwan também aparecem nesta lista.

Olhando para o que se passa na Europa Ocidental, destaca-se a reentrada da Universidade de Zurique (Suíça) no top 100, o facto de Oxford ter apanhado o seu eterno rival (Cambridge) pela primeira vez neste ranking que vai na sua sétima edição ou a subida de algumas instituições inglesas, como a University College London e a London School of Economics. Bélgica, Holanda, França, Alemanha e Dinamarca são os outros países europeus com universidades nesta lista.

Ao contrário de outros rankings publicados ao longo do ano (QS, ARWU, Financial Times), neste não são usados indicadores quantitativos, sobre produção científica ou nível de internacionalização, por exemplo, mas apenas a perceção que académicos de todo o mundo têm sobre a qualidade do ensino e investigação nas instituições de ensino e áreas com as quais estão familiarizados. Cada convidado pode indicar até 15 instituições.