Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Hugo Martins foi piloto, bailarino e agora é diretor artístico do Cirque du Soleil

“Um grande desafio, um novo desafio, numa nova aventura profissional agora com o Cirque du Soleil”, afirma Hugo Martins, antigo piloto da TAP e antigo bailarino

Hugo Soares Martins foi piloto da TAP, mas trocou a profissão pela dança. Dançou 13 anos, mas também deixou. Agora vai ser o diretor artístico do espetáculo "Toruk", do Cirque du Soleil.

"Um grande desafio, um novo desafio, numa nova aventura profissional agora com o Cirque du Soleil", afirma Hugo Martins à Lusa, de partida para o Canadá.

Sobre o seu percurso profissional, Hugo Soares Martins diz ser "um mix de várias coisas".

Em criança começou por fazer ginástica no Ginásio Clube Português, em Lisboa, onde chegou a ser atleta de alta competição e que abandonou. Uma casa "a quem deve imenso" do que aprendeu até hoje, sublinha.

Quando acabou a carreira de alta competição, sensivelmente há 20 anos, Hugo Soares Martins foi atrás de um sonho de criança e enveredou por uma profissão que nada tem a ver com o que faz atualmente: Tirou o curso de piloto e aos 24 anos acabou por entrar na TAP onde esteve dois anos como comissário de bordo e mais três ou quatro anos como piloto de médio curso.

"Nessa altura da minha vida acho que escolhi uma vertente mais segura, mais garantida, financeiramente mais garantida", observa.

"Porque a sociedade, às vezes, também nos pede esse tipo de escolhas", refere.

Foi esse então o caminho que escolheu e onde permaneceu até que voltou a "olhar para outro sonho de criança que era a dança e tudo o que tinha a ver com palcos, com espetáculos".

"Ganhava bem, mas se tivesse ficado como piloto de aviação nesta altura já tinha gasto o dinheiro todo dos ordenados em psiquiatras ou psicólogos", diz ao mesmo tempo que deixa sair uma gargalhada sonora.

Por isso, abandonou o que podia ter sido uma carreira de piloto e "mergulhou" na dança. Fez audições para a Escola Superior de Dança, entrou e começou a dançar.

"Nem sei bem como consegui entrar para a Escola, mas acredito que o meu passado como ginasta tivesse ajudado de alguma forma, nomeadamente em termos físicos, se bem que ginástica e dança são coisas em diferentes", indica.

Começou o curso, mas não acabou, porque em simultâneo fez audições com o bailarino Benvindo Fonseca com quem acabaria por colaborar e com quem viria a fundar, pouco tempo depois, uma companhia, juntamente com a bailarina Paula Careto.

Na Lisboa Ballet Contemporâneo esteve até 2008, altura em que a companhia se extinguiu. Depois, esteve numa outra plataforma designada Lisboa Metropolitan Arts e assim foi dançando até chegar à beira dos 40 anos.

No entanto, há perto de um ano surgiu-lhe uma oportunidade única e rumou a Pequim onde esteve como diretor artístico do circo Cavalia, uma companhia canadiana semelhante ao Cirque du Soleil.

Há relativamente pouco tempo soube que o Cirque du Soleil precisava de um diretor artístico para o espetáculo "Toruk", que se estreou há cerca de um ano e enviou-lhes o currículo.

Em maio foi contratado. No passado fim de semana tinha viagem marcada para voltar a voar, não como piloto, mas como passageiro rumo ao Canadá para receber instruções do Cirque du Soleil.

Uma semana depois voltará aos céus, desta vez rumo a Manila onde "Toruk" iniciará a digressão pela Ásia. "Toruk" é um dos 27 espetáculos que o Cirque du Soleil tem em digressão simultânea pelo mundo.

A seu cargo terá 46 pessoas e uma equipa de sete que dirigirá.

E se de momento está de corpo e alma no Cirque du Soleil -- porque só assim sabe estar num trabalho, sustenta -- também não deixa de acreditar que um dia ainda voltará aos palcos. Para dançar.

"Apesar de já estar com 41 anos, o bichinho de pisar o palco não morreu", observa.