Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Fenprof envia aos pais carta a explicar razões da greve em dia de exames

TIAGO PETINGA / LUSA

“Contrariamente ao que se tem ouvido, o que, verdadeiramente, prejudica os alunos não é a realização de um dia de greve pelos professores, mas sim a não-resolução dos problemas que levaram os professores a convocar esta greve. O facto de a greve coincidir com alguns exames de 11.º ano não foi a razão da sua convocação. O dia 21 foi aquele em que, havendo reunião com o ministro em 6 de junho, a greve poderia ser marcada, atendendo aos prazos legais que vigoram”, explica-se na carta da Fenprof aos pais.

A Fenprof explicou esta sexta-feira aos pais os motivos da greve convocada para dia 21, numa carta enviada às associações, e prepara-se para, na rua, esclarecer a população sobre as razões da paralisação em dia de exames nacionais.

"No âmbito da preparação desta greve, iniciaram-se hoje plenários de docentes, que continuarão na próxima semana. Ao longo de toda a semana, será também distribuída informação à população sobre os motivos de realização desta greve. Tal distribuição terá lugar em todas as capitais de distrito do país e, ainda, em outras localidades", referiu a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), em comunicado.

"Da mesma forma, em muitas escolas, os professores distribuirão a informação aos pais e encarregados de educação dos alunos", segundo a Fenprof.

No documento, a federação sindical adianta que hoje enviou uma carta "ao movimento associativo de pais", de âmbito nacional – confederações - e distrital – federações -, "em que aborda os motivos que levaram à convocação desta greve".

"Contrariamente ao que se tem ouvido, o que, verdadeiramente, prejudica os alunos não é a realização de um dia de greve pelos professores, mas sim a não-resolução dos problemas que levaram os professores a convocar esta greve. O facto de a greve coincidir com alguns exames de 11.º ano não foi a razão da sua convocação. O dia 21 foi aquele em que, havendo reunião com o ministro em 6 de junho, a greve poderia ser marcada, atendendo aos prazos legais que vigoram", explica-se na carta da Fenprof aos pais.

Em 2013, quando os sindicatos da educação se uniram numa greve conjunta em período de exames nacionais, os pais vieram a público criticar a situação criada pela paralisação nas avaliações dos alunos do 12.º ano, e as consequências no acesso ao ensino superior.

A Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) foi, entre as organizações representativas dos encarregados de educação, a que mais se insurgiu contra o que apelidou de "clima de instabilidade inaceitável e intolerável" vivido no final do ano letivo, motivando mesmo o pedido de intervenção do Provedor de Justiça.

Ao contrário da paralisação de um dia agendada para o fim deste mês, a greve de 2013 durou mais de uma semana, e abrangeu o exame nacional de Português, aquele que regista anualmente o maior número de inscritos.

Na missiva em que enumera alguns dos pontos de discórdia com a tutela na origem da greve, a Fenprof reafirma que esta apenas se concretiza se o Ministério da Educação não atender as reivindicações sindicais, e relembrando que a tutela pode optar por reagendar as provas marcadas para 21 de junho para outra data.

"Queremos, assim, reafirmar que a greve dos professores e educadores não é contra os alunos, pelo contrário, é contra a ausência de medidas e contra políticas que, essas sim prejudicam imenso os alunos. Como tal, gostaríamos de contar com a vossa compreensão e solidariedade", conclui a carta.

Um texto semelhante será distribuído nas ruas ao longo da próxima semana em todas as capitais de distrito.

A Fenprof refere ainda no comunicado que dos plenários de professores realizados hoje saiu a vontade de continuar a negociar com a tutela para que seja possível desconvocar a greve, acrescentando que ainda não está marcada nova reunião com a equipa do Ministério da Educação.

"Como a Fenprof afirmou, a sua abertura e a disponibilidade para continuar a procurar soluções de consenso são totais. Porém, se até dia 20 tal não acontecer, dia 21 de junho, com ou sem serviços mínimos, haverá Greve Nacional de Professores e Educadores", lê-se no comunicado.

FNE e Fenprof anunciaram na passada semana a marcação de uma greve de professores para 21 de junho, depois de não terem conseguido obter do Governo garantias quanto às reivindicações apresentadas na reunião com a tutela.

Para o dia da greve estão agendadas provas de aferição de Matemática e Estudo do Meio do 2.º ano de escolaridade e exames nacionais do 11.º ano às disciplinas de Física e Química A (uma das provas com maior número de inscritos), Geografia A e História da Cultura e das Artes.

A concretizar-se a paralisação, mais de 76 mil alunos podem inscritos nas provas desse dia podem ser afetados.