Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Caça às peças

Paredes meias com Leiria, há uma base onde se monta um F-16 desde o primeiro parafuso até à última porca. Os primeiros 20 caças norte-americanos chegaram novos na década de 90, os restantes 25, usados, vieram por via marítima em caixotes

Pedro Miguel Costa - Jornalista SIC

Os primeiros foram, em parte, montados nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico até que, com a privatização das OGMA, a Força Aérea Portuguesa reclamou o processo total para os seus técnicos. O custo dos comprar usados, montá-los e atualizá-los tecnologicamente em território nacional , o MLU– mid life upgrade, uma atualização que nos coloca ao lado dos principais parceiros internacionais, consegue, em comparação com aviões novos, um esforço financeiro muito inferior a 50 %. Um dos caças tecnológicos mais avançados do mundo fica assim a metade do preço.

Só no processo de atualização são manuseadas 4000 peças!

À base aérea de Monte Real chegam as carcaça e todas as partes do avião são montadas, desde as asas, os equipamentos elétricos, aviónicos e de comunicações, o canhão, o sistema de combustível, a cadeira de ejeção e a cobertura do cockpit. Também é aqui que tudo é testado, desde a pressurização, passando pela climatização e oxigénio.

A força aérea portuguesa é a única autorizada pelo fabricante a fazer praticamente todo o tipo de trabalhos nos aparelhos, só no núcleo do motor do F-16 os Estados Unidos não permitem que os técnicos nacionais mexam. Essa é a única intervenção de manutenção pela qual exigem ser ainda responsáveis.

Montar um F-16 desde o primeiro ao último parafuso demora um ano, quem o faz precisa duma formação especializada, para além da geral, de 6 meses a um ano, para integrar a equipa com supervisão, sendo 10 as especialidades envolvidas no processo.

Portugal vendeu 12 F-16 à Roménia tendo sido entregues 9, os últimos 3 serão entregues em setembro. Portugal recebeu pela venda 181 milhões de euros.

O sucesso com o programa romeno leva a Bulgária a querer o mesmo. O Ministério da Defesa está mesmo a ponderar adquirir mais F-16 aos EUA para modernizá-los e revendê-los ao antigo país do Bloco de Leste.

Os aviões norte-americanos iriam substituir os Mig-21, de fabrico soviético, da Força Aérea búlgara.