Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Moda de praia “made in Portugal”

Bohemian Swimwear

O verão está à porta e com ele os dias preguiçosos à beira-mar, com a brisa a embalar-nos o descanso. Entre os acessórios obrigatórios estão fatos de banho ou biquínis, toalhas e chinelos de praia. E, nem de propósito, existem inúmeras propostas nacionais. Vamos a banhos?

Se for uma pessoa atenta a modas, saberá que há cinco anos não havia moda de praia "made in Portugal". Fatos de banho, biquínis, toalhas e "hawaianas" (o nome diz tudo) eram exclusivo de marcas estrangeiras - apesar de a praia ser o programa de férias preferido de mais de metade dos portugueses - e sempre que alguém ia ao Brasil ou aos EUA recebia inúmeras encomendas. Invejávamos, à distância, os biquínis de alças traçadas, com folhos ou cortes arrojados que só havia "lá fora"...

Pois bem: esses tempos terminaram. De 2012 para cá, vários jovens (e menos jovens) decidiram arriscar e criar linhas de moda de praia. Há de tudo - desde fatos de banho a condizer para toda a família, biquínis sensuais e boémios, toalhas triangulares e urbanas e outras leves e românticas. Uns são ainda pequeninos, em estrutura, enquanto outros já pensam em internacionalizar.

Integralmente feitos à mão por Luciana Teixeira, no Algarve, os fatos de banho Ondhamar são de neoprene e são reversíveis. Preços: biquínis a €80, fatos de banho a €90

Integralmente feitos à mão por Luciana Teixeira, no Algarve, os fatos de banho Ondhamar são de neoprene e são reversíveis. Preços: biquínis a €80, fatos de banho a €90

JOSE FERREIRA

No atelier de Luciana Teixeira, em Lagos, trabalha-se exclusivamente com neoprene, a borracha dos fatos de surf. Designer de moda, a algarvia criou a marca Ondhamar, de biquínis e fatos de banho, em 2014. Este material, "confortável e duradouro, ajuda a moldar o corpo", afirma. E a maioria dos seus modelos é reversível, o que significa que ao comprar um biquíni está na verdade a levar dois. Todos os fatos de banho são feitos à mão, por ela, que no primeiro ano vendeu cerca de 100 peças, e no segundo ano cerca de 300. Os seus principais clientes são lisboetas e portuenses e ainda muitos estrangeiros, que gostam de levar um "produto diferenciador".

Sofisticados, sensuais, originais: três características da linha de biquínis e fatos de banho Bohemian Swimwear. Preços: dos €70 aos €100

Sofisticados, sensuais, originais: três características da linha de biquínis e fatos de banho Bohemian Swimwear. Preços: dos €70 aos €100

Bohemian Swimwear

A escala de Luciana ainda é a de uma artesã, mas no caso de Erica Bettencourt, que em 2013 criou a linha "Bohemian Swimwear", a produção deste ano vai a caminho das 10.000 unidades. O sucesso desta linha, boémia e sofisticada, é inseparável do perfil da sua criadora. Surfista desde os 15 anos, comissária de bordo da TAP desde os 26, Erica viveu boa parte da sua vida de biquíni - ou a viajar. Os modelos que comprava sucessivamente lá fora, para ela e para as amigas, levaram-na a pensar: porque não fazer uma linha de fatos de banho em Portugal? Começou com atelier e costureiras, em 2013, e das 500 unidades passou às 10.000. Sempre sem deixar o emprego principal, Erica mantém-se atenta às tendências nas praias do mundo e a sua marca vai de vento em popa...

Na Papua, cada coleção tem um tema. A deste ano chama-se "Expedition" e vai buscar inspiração a África, ao estilo colonial e aos safaris. Preços: biquínis a €90, fatos de banho entre os €85 e €110

Na Papua, cada coleção tem um tema. A deste ano chama-se "Expedition" e vai buscar inspiração a África, ao estilo colonial e aos safaris. Preços: biquínis a €90, fatos de banho entre os €85 e €110

carla pires

Já Marta Santos não tem tempo para mais nada além da dedicação à "Papua". Formada em gestão de marketing, ela e o namorado, advogado de formação, cedo concluíram que lhes agradaria ter um negócio seu. "Gostávamos muito de praia", contam, e achavam que havia uma grande lacuna na área da moda de praia. Em 2012, avançaram com uma pequena produção de 1500 unidades, que esgotou em três meses, apenas com o passa-palavra. No ano seguinte, aumentaram a parada: iniciaram confeção própria, em Leiria, criaram um site, venderam 1800 unidades.

Desde o início que o design de todos os biquínis das coleções é feito pelo casal. Passou a haver um conceito para cada coleção, que muda todos os anos. Cada uma tem cerca de 40 modelos (15 de base, com variações de cores). Muito atentos às tendências de 'swimwear' internacionais, têm já 2500 peças lançadas da coleção de 2017, "Expedition", e a sua loja física, no Príncipe Real (Lisboa), deverá abrir em junho.

A Summer Factory tem fatos de banho para toda a família, do bebé à adolescente, do pai e à mãe. Podem sair todos a condizer. Preços: dos €36,90 aos €94,90

A Summer Factory tem fatos de banho para toda a família, do bebé à adolescente, do pai e à mãe. Podem sair todos a condizer. Preços: dos €36,90 aos €94,90

Summer Factory

Noutro bairro não muito longe do Príncipe Real, em Campo de Ourique, a economista Ana Costa encontrou o pouso ideal para o seu projeto. Mãe de três filhos, deu consigo a pensar, depois da última gravidez, quão bom seria "dedicar-se a um projeto mais pessoal". "Lembramo-nos sempre daquela peça de roupa mais especial da nossa infância", partilha, e assim, em 2014, começou por fazer uma linha de biquínis para bebés dos 0 aos 6 anos. Depois, decidiu alargar o conceito a toda a família e criou a "Summer Factory". Pais, mães e filhos/as podem entrar na loja e sair com fatos de banho a condizer, seja no tecido, no padrão ou num apontamento decorativo. A verdade é que Ana tem "famílias inteiras a vestir-se na loja". Folhas tropicais, frutos e citrinos, riscas e folhos fazem parte da identidade desta marca familiar, que produz 5000 unidades por ano. Adolescentes e mães e filhas são dois dos públicos que mais aderem.

Tudo começou numa viagem ao Norte de África. Hoje, a Futah tem três tamanhos disponíveis: singular (€29,90 a €33,90), duplo (€42,90 a €44,90) e Kids (€22,90)

Tudo começou numa viagem ao Norte de África. Hoje, a Futah tem três tamanhos disponíveis: singular (€29,90 a €33,90), duplo (€42,90 a €44,90) e Kids (€22,90)

Futah

Toalhas lusas à beira-mar


Para Mariana Cunha e a irmã Catarina, tudo começou com uma viagem, em 2013, ao Norte de África. Por ali, repararam numa toalha muito leve (300 gramas, de algodão) que andava nas mãos dos locais. Chamavam-lhe "Fouta", que quer dizer “toalha” em árabe. Quando regressaram a Portugal, as irmãs trouxeram na bagagem, mais do que a toalha, a ideia. Nesse primeiro ano, produziram 300 unidades, que venderam a €25 num ápice. Então, despediram-se dos seus empregos e abraçaram o novo negócio. Atualmente, a Futah (assim ficou) produz 30.000 toalhas e a exportação tem ganho terreno. São muitos os que apreciam a leveza e liberdade que esta proporciona.

Foi a partir da desconstrução da toalha tradicional que surgiu a Vertty, com base nos triângulos. É um sucesso de vendas no estrangeiro. Preço: €49,90

Foi a partir da desconstrução da toalha tradicional que surgiu a Vertty, com base nos triângulos. É um sucesso de vendas no estrangeiro. Preço: €49,90

Vertty

Também a Frederico Cardoso, mestre em design gráfico, bastou olhar para o areal para constatar que a oferta de toalhas era muito pobre. Estávamos em 2012, ele tinha apenas 24 anos, mas decidiu criar "um produto completamente distinto" e redesenhar a toalha retangular. A primeira coisa que fez foi mudar a forma da toalha: tornou-a triangular, cheia de vértices e ângulos - o que daria o nome - Vertty. Depois, como bom 'designer', ocupou-se da função. Tornou a toalha mais leve, usando um material que seca rapidamente - o "ketten" - e colocou-lhe um bolso à prova de água no centro.

No primeiro ano, Frederico produziu 8.000 toalhas. Em seis meses, a Vertty vendeu em 50 países. Portugal já só representa metade do mercado. EUA, Austrália e Suíça renderam-se ao modelo urbano da marca, que lançou no ano passado a sua primeira coleção de biquínis e este ano a de homem.

Com sola de cortiça, "As Portuguesas" de Pedro Abrantes são mais leves, menos derrapantes e menos transpirantes. Preços entre €26,90€ e €39,90

Com sola de cortiça, "As Portuguesas" de Pedro Abrantes são mais leves, menos derrapantes e menos transpirantes. Preços entre €26,90€ e €39,90

As Portuguesas

Quanto ao arquiteto Pedro Abrantes, de 32 anos, também identificou uma falha no mercado da moda de praia: a falta de oferta de "soluções eco-friendly". Uniu a sua formação de base à sua paixão por sapatos e foi bater à porta da Corticeira Amorim para pôr uma sola de cortiça nas suas chinelas de praia. A Ecochic nasceu em 2015 e venderam-se "milhares" de "Portuguesas" no ano de lançamento. Com a "portugalidade no seu DNA", as 'flip-flops' são mais confortáveis, mais leves, derrapam menos e estimulam menos a transpiração do que as "hawaianas" tradicionais. São já algumas vantagens...

Escolha não falta para usar um produto nacional e estar na moda. Bons banhos de sol e de mar!