Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Milhares de luso-venezuelanos regressaram à Madeira

MIGUEL GUTIERREZ / EPA

“Temos vindo a registar um número crescente de conterrâneos nossos que regressam da Venezuela, isso tem-se vindo a intensificar nas últimas semanas. É notório”, disse esta quinta-feira na Venezuela o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques

Entre 3.000 e 4.000 luso-venezuelanos regressaram à Madeira, avançou esta quinta-feira na Venezuela o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, admitindo que o número possa vir a aumentar.

"Temos vindo a registar um número crescente de conterrâneos nossos que regressam da Venezuela, isso tem-se vindo a intensificar nas últimas semanas. É notório", disse.

Sérgio Marques falava à agência Lusa, na cidade de Maracay (100 quilómetros a oeste de Caracas) no âmbito de uma viagem de quatro dias à Venezuela, conjuntamente com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesa, José Luís Carneiro.

"Estamos a tentar apurar o número das pessoas que tenham entrado na Madeira com rigor. Todos aqueles [cidadãos] que entram com passaporte português, não há um registo de entrada e por isso temos alguma dificuldade em apurar esse número. De qualquer forma eu estimo que entre 3.000 e 4.000 pessoas possam ter regressado da Venezuela", disse.

Por outro lado sublinhou esperar "que esse tenha sido um regresso temporário, porque o desejo das pessoas que têm chegado à Madeira, é que uma vez alterada a situação de crise política, económica e social que se vive na Venezuela possam ter condições para de novo retomar a normalidade das suas vidas aqui na Venezuela".

"Mas é um facto que temos já largas centenas de conterrâneos regressados à Madeira, e é óbvio que esta situação não é uma questão regional, é uma questão nacional, para que a Madeira possa da melhor forma apoiar o regresso de todos estes conterrâneos, tem que contar com a ajuda do Governo da República", frisou.

"Este é um problema nacional em que todos temos que assumir as nossas responsabilidades, seja o Governo da República, seja o Governo da Venezuela. O que foi dito pelo Secretário de Estado das Comunidades, em nome do Governo português, é que há uma disponibilidade do Governo da República em cooperar com o Governo regional da Madeira no sentido de serem encontradas as melhores formas para apoiar a integração dos conterrâneos que regressam da Venezuela", concluiu.

  • Alerta na Madeira: “Temos de apoiar essas pessoas, são cidadãos portugueses”

    O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, vai reforçar orçamento da Segurança Social e da Saúde e abrir gabinete para ajudar os portugueses que chegam da Venezuela. Ao Expresso, defende a criação de um corredor humanitário para fazer chegar medicamentos ao país e pede esforço conjunto de Lisboa e Bruxelas. Só na semana passada chegaram à Madeira 190 pessoas

  • Portugueses estão dispostos a “bater-se” pela Venezuela

    O secretário de Estado das Comunidades, que inicia esta terça-feira uma visita de três dias à Venezuela, referiu que “quando se fala de retirar os portugueses [...], há muitos que reagem negativamente porque têm lá as suas casas, os seus estabelecimentos, as suas empresas, as suas indústrias, os seus filhos, os seus netos”

  • Luso-venezuelanos querem saber mais sobre plano de retirada

    Na Venezuela há um milhão de portugueses de três gerações e “as autoridades têm de estar efetivamente preparadas para, numa situação de comoção, retirar aquelas pessoas que queiram” sair, diz Fernando Campos, conselheiro das comunidades portuguesas