Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Andar na faculdade custa €6445/ano

José Caria

Despesas com os custos da educação caíram em relação a 2010. Rendimentos ainda condicionam o acesso

Entre propinas, livros, alimentação, transportes, despesas pessoais ou de saúde, o custo de estudar no ensino superior ronda, em média, os €6500 por ano. A boa notícia é que o valor não aumentou nos últimos anos. Antes pelo contrário. Comparando com 2010/11, o último ano em que estas contas também tinham sido feitas, baixou 2,7%, o que se traduz em menos €179. Essa redução deveu-se sobretudo a um menor peso dos custos ligados à educação (propinas, matrículas, livros).

O problema é que esta redução não foi igual para todos. As despesas globais diminuíram sobretudo para quem frequenta o ensino politécnico privado e o universitário público. E aumentaram entre os alunos do politécnico público e universitário privado.

Porquê? Luísa Cerdeira, investigadora do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa e coordenadora do estudo Custos dos Estudantes no Ensino Superior — será apresentado na próxima terça-feira em Lisboa —, admite alguma surpresa com esta evolução, mas apresenta várias pistas. Por um lado, “a inflação baixa neste período (e até é negativa em 2014) e a necessidade de contração de custos, mercê da diminuição de rendimento de parte significativa da população”. No caso do ensino privado, a redução do número de alunos pode ter levado as instituições a baixarem as propinas e tentar assim atrair mais estudantes. Já em relação aos politécnicos públicos, onde se registou uma “surpreendente” subida de 10% nos custos de vida, a evolução pode indiciar uma mudança no estudante-tipo deste subsistema, com a “entrada de jovens com maior rendimento e maior poder de compra do que no passado”.

A fatura varia consoante a natureza da instituição que se frequenta (pública ou privada) e o facto de se ter ido estudar para uma cidade diferente (36% são deslocados), mas também depende da localização do estabelecimento. Olhando para a situação da amostra de 1087 estudantes inquiridos, os autores do estudo identificaram três perfis que mais se repetem e que abrangem 70% dos inscritos no ensino superior. A situação mais comum (35% dos matriculados) corresponde ao aluno do ensino público, que vive no litoral do país e em casa dos pais. Este grupo paga uma das faturas mais baixas: €4322 ano, o que, tendo em conta parâmetros internacionais, representa um “custo baixo”.

O segundo grupo mais representado (24%) é composto por jovens do ensino público, no litoral e a viver em casa ou quarto alugado. Neste caso, os gastos já são considerados “moderados” e as despesas ascendem a quase €7 mil por ano. Finalmente, com 12% de inscritos, há o grupo de estudantes do ensino privado, do litoral e a morar com os pais. Aqui, as contas pesam bem mais e rondam os €8400.

Ascensão social para alguns

A pergunta seguinte é saber qual o esforço que as famílias têm de fazer para pagar a despesa. Para um agregado na mediana do país (acima e abaixo desse valor distribui-se 50% da população adulta), uma despesa total de €6645 com um filho no ensino superior esgota 63% do orçamento anual, já tendo em conta o apoio social e a dedução fiscal que o Estado concede, explica Luísa Cerdeira.

O elitismo que durante décadas marcou o acesso ao ensino superior está longe de se fazer sentir com a intensidade de então, mas ainda deixa marcas. Olhando para as áreas de estudo é bem visível a relação entre o rendimento dos pais e o curso frequentado pelos filhos. No caso de Medicina, Medicina Dentária e Farmácia a maioria dos alunos classifica o rendimento do seu agregado familiar como elevado (46,4%) ou médio (43%). E só 10,7% diz que é baixo. Já no caso das Artes e Humanidades, Educação, Enfermagem e Ciências há “camadas mais desfavorecidas”.

Por subsistema, constata-se que o ensino politécnico público acolhe a maior percentagem de alunos de famílias de rendimentos mais baixos. Mas, regra geral, os “estudantes do ensino superior continuam a ter uma origem maioritária dos estratos de rendimento médio (46,7%) ou rendimento elevado/médio alto (36,7%). Apenas 16,6% considera provir de um agregado com rendimento baixo. São valores semelhantes aos de 2010/11, mas melhores do que em 2004/2005, onde só 8,7% deram essa resposta”, sublinha Luísa Cerdeira.

Além disso, continua também a verificar-se uma sobrerepresentação das habilitações académicas mais elevadas, em particular em cursos como Medicina, Medicina Dentária e Farmácia. Mais de metade (55%) das mães dos alunos que os frequentam são licenciadas. A média para todos os cursos superiores é de 32%, quando no conjunto da população portuguesa o valor fica-se pelos 18%. Educação e Enfermagem apresentam os pais com as habilitações mais baixas.

De acordo com os dados do estudo, a maioria dos estudantes é do sexo feminino (55%), mora com os pais/família (51%), com apenas 6% a viver em residências universitárias e não trabalha (83%). Só 30% recebem bolsa (a maioria entre €101 e €200 por mês) e 3,4% pediram um empréstimo, sobretudo para pagar as propinas.