Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Greve na função pública: “Uma jornada memorável”, reclama a CGTP

Ana Avoila e Arménio Carlos, à porta da Escola Passos Manuel, esta manhã

TIAGO PETINGA / Lusa

“O Governo vai ter de tirar ilações desta jornada de luta”, considera Arménio Carlos, lider da Intersindical

A greve nacional da Função Pública marcada para esta sexta-feira está a ter uma adesão que ronda os 90% a nível nacional, anuncia o dirigente sindical Artur Sequeira.

"Os números [da paralisação] aproximam-se dos 90% a nível nacional", disse esta manhã o dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, numa conferência de imprensa realizada na escola Passos Manuel, em Lisboa, um dos estabelecimentos escolares que não abriram.

Também presente no local, o líder da CGTP, Arménio Carlos, considerou que os valores da adesão estão a fazer da greve uma "jornada memorável". "O Governo vai ter de tirar ilações desta jornada de luta", acrescentou Arménio Carlos.

Convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS), a greve nacional desta sexta-feira foi anunciada no início de abril para reivindicar aumentos salariais, pagamento de horas extraordinárias e as 35 horas de trabalho semanais para todos os funcionários do Estado.

O regime das 35 horas foi reposto em julho de 2016, deixando de fora os funcionários com contrato individual de trabalho, sobretudo os que prestam serviço nos hospitais EPE.

A FNSTFPS, afeta à CGTP, é composta pelos sindicatos do norte, centro, sul, regiões autónomas e consulares, e representa 330 mil funcionários.

A última greve geral convocada pela FNSTFPS com vista à reposição das 35 horas semanais realizou-se em janeiro do ano passado, e teve, segundo a estrutura, uma adesão média entre 70% e 80%, incluindo os hospitais.