Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Área ardida este ano é dez vezes superior ao mesmo período de 2016

Rui Duarte Silva

Só em 2017 já arderam mais de 13 mil hectares e foram registados pelos bombeiros perto de cinco mil fogos

Os incêndios florestais consumiram este ano 13.530 hectares, uma área ardida dez vezes superior ao mesmo período de 2016, segundo números avançados esta quarta-feira pelo secretário de Estado da Administração Interna no parlamento.

Na comissão parlamentar de Agricultura e Mar, onde esteve a apresentar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) para 2017, Jorge Gomes adiantou que os fogos também aumentaram entre janeiro e maio deste ano, tendo deflagrado, até ao momento, 4.839, mais 3.951 do que no mesmo período de 2016, quando se registaram 888.

Este ano, a área ardida situa-se nos 13.530 hectares, enquanto no mesmo período de 2016 existiam 1.203 hectares de florestas consumida pelas chamas.

Segundo o secretário de Estado, dos 13.530 hectares de área ardida, 4 mil dizem respeito a floresta.

Sublinhando que esta situação "suscita preocupação", Jorge Gomes referiu que o mês de abril desde ano foi o quinto mais quente desde 1945, o índice da severidade meteorológica aumentou e cerca de 75% do território português está em seca moderada.

"Não estou a atribuir a responsabilidade à seca, o que ardeu é uma área preocupante", disse o secretário de Estado, reiterando confiança na capacidade de resposta do dispositivo.

Os dados divulgados no parlamento mostram também que Vila Real e Braga tiveram o maior número de ocorrência de incêndios e de área ardida este ano.

Entre janeiro e maio deflagraram 19 grandes incêndios, aqueles que tiveram uma área ardida igual ou superior a 100 hectares, e 57% dos fogos tiveram "origem humana", nomeadamente em queimadas e caça, disse também, na comissão parlamentar, o comandante nacional de operações de socorro, Rui Esteves.