Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Mensagem do Papa em Fátima: uma Igreja fundamental, pobre de meios e rica no amor

Luis Barra

Francisco sublinhou a força do Evangelho, descartou a indiferença, e apelou ao sacrifício maior: "A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida." É preciso dar tudo, não poupar nada

"Sob proteção de Maria, sejamos no mundo sentinelas da madrugada que sabem contemplar o verdadeiro rosto de Jesus Salvador, aquele que brilha na Páscoa, e descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é missionária, acolhedora, livre, fiel, pobre de meios e rica de amor". De forma clara e inequívoca, a homilia do Papa Francisco não deixou margens para dúvidas, nada de esbanjamento, pompa e circunstância, a ação cristã faz-se no terreno, na abertura a todos e não só aos "irmãos no Batismo". Todos, ninguém pode ficar de fora, especialmente "os doentes e pessoas com deficiência, os presos e desempregados, os pobres e abandonados". É sobretudo nas margens que é preciso estar, lembrou Francisco.

Na missa de canonização dos irmãos Francisco e Jacinta Marto, o Papa identificou-os de forma especial, porque, no meio da multidão, foram eles, juntamente com a prima Lúcia, viram Maria. Mas, não quis evocar o dramatismo da situação, lembrando - "a Virgem Mãe não veio aqui, para que a víssemos; para isso teremos a eternidade inteira, naturalmente se formos para o Céu". o que o Papa quer é ação na terra.

E, por isso mesmo, convocou o seu povo a agir. "O Céu desencadeia aqui uma verdadeira mobilização geral contra esta indiferença que nos gela o coração e agrava a miopia do olhar. Não queiramos ser uma esperança abortada! A vida só pode sobreviver graças à generosidade de outra vida."

Citando as "Memórias" de Lúcia, Francisco não virou o rosto a "tantos caminhos e campos cheios de gente, a chorar de fome". Entre tantas das passagens que dão corpo textual às visões das crianças, o Papa escolheu aquela que fala dos desfavorecidos e excluídos.

E quanto ao que teria ele pedido na noite de sexta-feira perante a imagem de Maria, na Capelinha das Aparições, o Papa anunciou perante a audiência: "Irmãos e irmãs, obrigado por me acompanhardes! Não podia deixar de vir aqui venerar a Virgem Mãe e confiar-lhe os seus filhos e filhas.

Afetuoso, não deixou de ter uma palavra para "este esperançoso Portugal". Francisco, aplaudido e sob a atenção silenciosa de quinhentos mil fieis, sob um dia de sol forte, a lembrar em Fátima os fundamentos da Igreja original.