Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Segurança ao Papa: 37 pessoas proibidas de entrar em Portugal e 31 detidos

Ana Baião

Nas últimas 48 horas, altura em que foi reposto o controlo fronteiriço por causa da visita do Papa, o SEF controlou os documentos a mais de 128 mil pessoas. Já a GNR fiscalizou 60 mil

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Desde que Portugal voltou a controlar as fronteiras por motivos de segurança relacionados com a visita do Papa, 37 pessoas foram recusadas a entrar em território nacional pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Já a GNR, que apresentou os números minutos depois, também em comunicado, anunciou ter detido nos dois últimos dias 31 pessoas (13 no primeiro dia de operações e 18 nas últimas 24 horas).

Esta reposição de fronteiras temporária, que irá durar até à meia-noite do próximo domingo, já levou ao controlo documental de mais de 128 mil pessoas nos 44 pontos de passagem autorizados por parte do SEF (9 na fronteira terrestre, 9 nas fronteiras aéreas de aeroportos e 5 aeródromos definidos para este efeito como fronteiras autorizadas durante este período, e 21 na fronteira marítima).

De acordo com o comunicado enviado às redações, o SEF registou 100 interceções para avaliação, das quais resultaram "37 recusas de entrada, em diferentes pontos de passagem autorizados, situações normais baseadas em irregularidades documentais e ausência de cumprimento de requisitos de entrada em território nacional".

Já a GNR revela ter realizado nas últimas 48 horas, no âmbito da Operação Fronteira Vigiada, cerca de 60 mil fiscalizações a pessoas e a 40 mil veículos. Nos dois dias, e somando os números dos dois comunicados, foram realizadas 670 ações de fiscalização. Destas, mais de 400 foram ações em pontos de passagem da fronteira terrestre, quase 140 em fronteiras marítimas, 85 em aeródromos e pistas de aterragem, dez em transportes ferroviários e onze em fronteiras fluviais.

Segundo o SEF, a nível das fronteiras aéreas, "houve um grande acréscimo do número de passageiros controlados" em consequência do controlo dos voos Schengen. Nas fronteiras marítimas foi possível, face ao dispositivo montado pelo SEF, "efetuar o controlo de todas as embarcações e navios provenientes de Schengen e de Estados Terceiros". Já nas fronteiras terrestres, deu-se um "aumento significativo" de tráfego rodoviário, nas últimas 24 horas, especialmente, em Valença e Vilar Formoso, tendo o controlo decorrido com normalidade.