Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Sabemos que não é um ataque apenas dirigido a Portugal”

Inicialmente, acreditava-se que a origem do ataque informático que afetou também as empresas portuguesas estaria no Brasil. Coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança sublinha que a origem do ataque deve estar noutro local e que ainda é tudo muito recente

A única certeza até agora é que o ataque informático não é apenas dirigido a Portugal. A garantia foi dada ao Expresso por Pedro Veiga, coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança, esta sexta-feira, após uma série de empresas nacionais terem sido afetadas por um ataque de ransomware.

“Sabemos que não é um ataque dirigido a Portugal. E dirigido a muitos países do mundo”, diz Pedro Veiga. “Atua quando alguém abre um e-mail de origem desconhecida, que não deveria ter aberto, e ativa o anexo que vem no e-mail. Portanto, instala uma aplicação Java que começa a cifrar o conteúdo do computador e no fim aparece uma mensagem a pedir o resgate”, explica.

Apesar de num primeiro momento ter sido divulgado o ataque teria origem no Brasil, o coordenador do Centro Nacional de Cibersegurança refere que “poderá vir de outros locais”. “Isto ainda não é informação muito robusta, porque é tudo muito recente. Além disso, há técnicas para mascarar a origem do e-mail, que podem tornar impossível descobrir de onde vem”, diz.

No caso dos computadores que estão isolados, apenas é afetado esse computador. Já quando os ficheiros em rede, pode afetar todos os que estão ligados. Uma das formas de travar, caso o dispositivo esteja a ser atacado, é desliga-lo à força ou retirar o cabo de rede.

Esta sexta-feira, as empresas de telecomunicações, a nível mundial, foram alvo de um ataque informático. A portuguesa PT e a espanhola Telefónica foram afetadas.

A EDP tem o sistema informático desligado, e os dois maiores bancos portugueses, a Caixa e o BCP, garantem ao Expresso que não foram atacados, mas têm equipas de informática a monitorizar o sistema para assegurar que os seus clientes estão protegidos. A Vodafone Portugal afirma que não foi alvo de qualquer ataque, mas a multinacional em Espanha decidiu desligar o sistema por uma questão de prevenção, diz ao Expresso fonte oficial. A Vodafone Espanha já veio confirmar não foi afetada.

A operadora de telecomunicações NOS mantém o silêncio sobre o assunto, e não esclarece se foi ou não alvo de ataque, ou se tomou alguma medida especial.em desenvolvimento