Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

GNR suspeito de abuso de poder

Militar que deixou inconsciente utente das Finanças do Montijo foi constítuido arguido pelo Ministério Público. Está indiciado pelo crime de abuso de poder.

O Ministério Público constituiu como arguido o militar da GNR que aplicou um mata-leão a um utente das Finanças do Montijo que estava a reclamar e a filmar em direto para o Facebook a discussão. O cidadão brasileiro foi deixado inconsciente pelo militar, que estava à paisana e fora de serviço, e foi detido e indiciado pelo crime de coação sobre funcionário. O militar foi agora indiciado pelo crime de abuso de poder e já estava a ser alvo de um processo disciplinar por parte da Inspeção Geral da Administração Interna.

O caso ocorreu na última terça-feira quando Jaír Costa se dirigiu às Finanças para tratar do IRS. Terá exigido à funcionária que preenchesse a declaração o que foi recusado. Na versão do utente a funcionária terá sido "grossa". O militar, que não estava de serviço, interveio em defesa da funcionária e perante a recusa do utente em parar de filmar aplicou-lhe um mata-leão, uma técnica de imobilização usada nas artes marciais que deixa o adversário inconsciente. A agressão foi filmada pela vítima.

De acordo com as normas da GNR esta técnica só pode ser aplicada perante "resistência ativa" do suspeito. As filmagens mostram o cidadão a reclamar verbalmente e não é visível qualquer comportamento ameaçador ou de agressividade.

O militar foi alvo de um inquérito da IGAI, é agora arguido mas continua a trabalhar normalmente. Não tem qualquer registo no cadastro disciplinar.