Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

A fé de Francisco incendiou Fátima

Rui Duarte Silva

O meio milhão de pessoas que o aplaudiu à chegada, silenciou para com ele rezar. Um Papa simples, de costas para a multidão, de frente para a sua Senhora, rezou, à luz das velas. E do excessivo terço de Joana

Ao balcão, perto da Capela do Santíssimo, Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo casal António Costa e pela mulher de Ferro Rodrigues, reza discretamente. Do outro lado do santuário, um homem vestido de branco, de pé também reza tão discretamente quanto o deixam as câmaras de televisão e os olhos do mundo. No balcão lateral da basílica, o primeiro-ministro é o único sem uma vela na mão. E o único silencioso. Assumidamente laico, acompanha em silêncio a fé dos presentes. A separar os líderes políticos portugueses do Papa, meio milhão de pessoas, que iluminavam o recinto.

Os idiomas sucedem-se, com o terço a avançar na noite fria, empenhada em não facilitar a missão dos peregrinos. Mas nada parece ser capaz de os afastar do propósito que ali os reunira: rezar o terço. Na frente da praça central, sacerdotes vestidos de branco complementavam a luz das velas. Visto de longe, parece que de um incêndio se trata. Brando, um fogo que arde lentamente, apesar do vento e do gelo do ar.

Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo casal António Costa e pela mulher de Ferro Rodrigues, reza discretament

Marcelo Rebelo de Sousa, acompanhado pelo casal António Costa e pela mulher de Ferro Rodrigues, reza discretament

Tiago Miranda

Não há comentários, não há burburinho. Só orações e música religiosa. No altar, um padre orienta o progresso do terço e os mistérios vão-se sucedendo, concorrendo com o segredo que permite tanta gente, cansada, mantenha-se de pé, simplesmente a rezar. Não é possível nem desejável incomodá-los com perguntas. Não é a altura para desvendar estados de alma. O tempo é de recolhimento.

"Sinto que Jesus vos confiou a mim e a todos abraço e confio a Jesus, 'principalmente os que mais precisarem', como Nossa Senhora nos ensinou a rezar. Ela, Mãe doce e solícita de todos os necessitados, lhes obtenha a benção do Senhor." promete o Papa na mensagem aos fiéis da noite de Fátima.

Luís Barra

Fiel a si mesmo e ao seu estilo, Francisco vai mais longe: "Peregrinos com Maria... Qual Maria? Uma 'Mestra da vida espiritual', a primeira que seguiu Cristo pelo caminho estreito da cruz dando-nos o exemplo, ou então uma Senhora inatingível e, consequentemente, inimitável. A 'bendita por ter acreditado' sempre e em todas as circunstâncias nas palavras divinas, ou então uma 'santinha' a quem se recorre para obter favores a baixo preço?" Nada disso, diz Sua Santidade . Para ensinar, a quem dúvidas possa ter, que a Mãe não é melhor do que o Filho.

"Sobre cada um dos deserdados e infelizes a quem roubaram o presente, dos excluídos e abandonados a quem negam o futuro, dos órfãos e injustiçados a quem não se permite ter um passado desça a bênção de Deus encarnado em Jesus Cristo.", pede.

Marcos Borga

E, apesar do sossego que incompreensívelmente mantém 500 mil pessoas concentradas na oração, o momento faz pensar na passagem do Evangelho de Lucas. "Eu vim lançar o fogo sobre a terra; e como gostaria que ele já se tivesse ateado! Tenho de receber um batismo, e que angústias minhas até que ele se realize! Julgais que eu vim estabelecer a paz na Terra? Não, Eu-no-lo digo, mas antes a divisão".

A noite avança e promete ser longa para todos os que ocupam a praça central do santuário, na incógnita sobre o que trará Francisco ao seu povo neste sábado, em que duas crianças serão canonizadas. Afinal, por quem reza o homem de branco na Capelinha das Aparições? Que mudanças trará para incendiar a sua Igreja?