Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

“Paralelo”. O doping dos peregrinos do Norte

Marcos Borga

Baptizaram-no como “paralelo”. Faz borbulhas como um espumante e é mais fresco que um Martini. A receita, servida num restaurante em Fátima, foi revelada por pescadores de Espinho

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Ao balcão do "Marcelino", restaurante a dois passos do Santuário, a mistura de vinho branco, água das pedras e açúcar é servida aos peregrinos do Norte do país. Chamam-lhe "Paralelo" e a receita foi trazida para Fátima há uma década por pescadores de Espinho.

Todas as manhãs de 12 e 13 de maio é sagrado. O grupo numeroso, que viaja em excursão de autocarro, enche o restaurante e tem à sua espera, num garrafão de cinco litros, a mistura já preparada pelos empregados. "É fresquinho e bebe-se rapidamente num copo de imperial. É uma espécie de doping destes peregrinos", conta o dono, João "Manhãs" Graça, de 46 anos.

Há sete anos, quando Bento XVI visitou Fátima, o Expresso esteve no local e encontrou três fiéis de Espinho, poucos minutos depois das 8h. "Cura a ressaca e deixa-nos em forma para a missa do Santo Padre", explicavam. Na noite anterior tinham estado na farra, até às tantas, a desforrar-se dos três dias de caminhada. O cabelo desgrenhado e as olheiras profundas eram a prova de que não tinham dormido grande coisa. "Em Fátima também podemos divertir-nos, ou não?". Um empregado encolhe os ombros com o argumento inabalável, antes de lhes atestar o copo: "Estes homens merecem!".

Uma parte do grupo já chegou a Fátima para assistir ao Centenário das Aparições e à visita do Papa Francisco, mas o homem que trouxe a receita do Norte, André Pitas, só deverá viajar este sábado. Ao telefone, explica que a tradição este ano vai repetir-se mal chegue a Fátima. "Vamos todos ao 'Marcelino' beber uns 'paralelos' e ver o Papa", resume o funcionário público que vive num bairro piscatório daquela cidade.

Duas clientes pedem um copo desta receita de Espinho e ficam rendidas. E se o dia estivesse quente, a tentação ainda era maior. O "Paralelo" faz borbulhas como um espumante, é mais fresco do que um Martini e é tão barato como uma imperial.