Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Greve dos médicos: sindicato aponta para adesão de 100% no turno da noite

Paulo Vaz Henriques

“Só estiveram a ser cumpridos os serviços mínimos” entre as 0h e as 8h, refere o Sindicato Independente dos Médicos

A adesão à greve dos médicos relativa ao turno das 0h às 8h desta quarta-feira terá sido de 100%, adianta à agência Lusa o presidente do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Jorge Roque da Cunha.

"Ainda é muito difícil fazer um balanço objetivo da adesão a esta hora, mas estimamos que entre as 0h e as 8h tenha sido de 100%. Só estiveram a ser cumpridos os serviços mínimos", referiu.

Apesar de ainda não ter dados mais concretos, Jorge Roque da Cunha disse que, por exemplo, no Hospital de Braga só funcionaram dois blocos operatórios e em Matosinhos, no distrito do Porto, nenhum dos blocos funcionou.

"No entanto, quero voltar a sublinhar que nenhum doente fica sem o seu tratamento de quimioterapia, radioterapia, hemodiálise. Estes serviços estão assegurados, bem como o serviço de urgência", disse.

Jorge Roque da Cunha remeteu para mais tarde um ponto de situação da adesão à greve e serviços afetados.

Os médicos cumprem desde as 0h desta quarta-feira uma greve nacional de dois dias contra a falta de medidas do Governo em várias matérias, como redução dos utentes por médico de família e diminuição de horas em urgência.

Consultas e cirurgias programadas devem ser as mais afetadas nestes dois dias de greve, com os profissionais a cumprirem obrigatoriamente os serviços mínimos, que contemplam as urgências, quimioterapia e radioterapia ou transplantes.

A paralisação foi convocada pelos dois sindicatos médicos para hoje e quinta-feira e é a primeira destes profissionais de saúde que enfrenta o ministro Adalberto Campos Fernandes.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) reivindicam um conjunto de 30 pontos e queixam-se de que o Governo tem empurrado as negociações ao longo de um ano, sem concretizações, e demonstrando falta de respeito pelos profissionais.

Limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200, imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência e diminuição do número de utentes por médico de família são algumas das reivindicações sindicais.

Os sindicatos também querem a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%. Exigem a reversão do pagamento dos 50% com retroatividade a janeiro deste ano.

O Ministério da Saúde tem dito que não negoceia sob pressão e considera-se empenhado no diálogo com os sindicatos médicos.