Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Greve dos médicos com adesão superior a 80%, diz o sindicato

Carl Court / Getty Images

Sindicato Independente dos Médicos diz que há vários blocos operatórios encerrados no país e, apesar de se escusar a entrar “numa guerra de números”, aponta para uma adesão superior a 80% no primeiro dos dois dias de paralisação

A greve nacional dos médicos registou esta manhã uma adesão superior a 80%, segundo o Sindicato Independente dos Médicos (SIM), um dos que convocou a paralisação de dois dias. O balanço foi feito pelo secretário-geral do SIM, Roque da Cunha, aos jornalistas, no hospital de Santa Maria, em Lisboa.

O dirigente sindical indicou que há vários blocos operatórios encerrados no país e, apesar de se escusar a entrar "numa guerra de números", apontou para uma adesão superior a 80% neste primeiro dia de paralisação.

Consultas e cirurgias programadas devem ser as mais afetadas nestes dois dias de greve, com os profissionais a cumprirem obrigatoriamente os serviços mínimos, que contemplam as urgências, quimioterapia e radioterapia ou transplantes.

A paralisação foi convocada pelos dois sindicatos médicos para hoje e quinta-feira e é a primeira destes profissionais de saúde que enfrenta o ministro Adalberto Campos Fernandes.

Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e Federação Nacional dos Médicos (FNAM) reivindicam um conjunto de 30 pontos e queixam-se de que o Governo tem empurrado as negociações ao longo de um ano, sem concretizações, e demonstrando falta de respeito pelos profissionais.

Limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200, imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência e diminuição do número de utentes por médico de família são algumas das reivindicações sindicais.

Os sindicatos também querem a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%. Exigem a reversão do pagamento dos 50% com retroatividade a janeiro deste ano.

O Ministério da Saúde tem dito que não negoceia sob pressão e considera-se empenhado no diálogo com os sindicatos médicos.