Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Balanço do sindicato: greve dos médicos com adesão a rondar os 90%

Ao meio-dia, o Sindicato Independente dos Médicos tinha apontado para uma adesão de 80%. Número subiu

O primeiro dia de greve nacional dos médicos está a ter uma adesão que ronda os 90%, segundo os dados mais atualizados dos dois sindicatos que convocaram a paralisação.

Em conferência de imprensa, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) atualizaram os dados referentes à adesão dos profissionais à greve, sublinhando que a paralisação está a ter uma “expressão avassaladora”.

Ao meio-dia, o SIM tinha apontado para uma adesão de 80%, revendo agora esse valor para próximo dos 90%.

Os dois sindicatos que convocaram a greve conjunta dizem-se prontos a recomeçar as negociações já na sexta-feira para tentar encontrar soluções para os cerca de 30 pontos reivindicativos.

Limitação do trabalho suplementar a 150 horas anuais, em vez das atuais 200, imposição de um limite de 12 horas de trabalho em serviço de urgência e diminuição do número de utentes por médico de família são algumas das reivindicações sindicais.

Os sindicatos também querem a reposição do pagamento de 100% das horas extra, que recebem desde 2012 com um corte de 50%. Exigem a reversão do pagamento dos 50% com retroatividade a janeiro deste ano.

Contactada pela agência Lusa, fonte do gabinete do ministro da Saúde disse que, para já, não serão avançados dados oficiais sobre a adesão do protesto.

O Ministério da Saúde tem dito que não negoceia sob pressão e considera-se empenhado no diálogo com os sindicatos médicos.