Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Morreu Baptista-Bastos

Lançamento do livro de Baptista Bastos “No Interior da Tua Ausência”, no Auditório do Montepio Geral, em Lisboa, em novembro de 2002

João Carlos Santos

Jornalista e escritor tinha 83 anos

O jornalista e escritor Armando Baptita-Bastos morreu esta terça-feira aos 83 anos, confirmou o Expresso. Estava internado há várias semanas no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Armando Baptista-Bastos nasceu em Lisboa a em 27 de Fevereiro de 1934. Frequentou a escola de Artes Decorativas António Arroyo e o Liceu Francês.

Iniciou a sua carreia jornalística em “O Século”, mas foi so serviço do “Diário Popular” – onde trabalhou durante vinte e três anos (1965-1988) – que haveria de conquistar maior notoriedade, sobretudo em géneros como a entrevista e a reportagem.

Torna-se mais conhecido do grande público pelas entrevistas relizadas na SIC entre novembro de 1996 e janeiro de 1998. Nessas “Conversas Secretas”, fazia a todos os convidados a pergunta "onde é que estavas no 25 de Abril?", o que seria mais tarde glosado por Herman José no programa "Herman Enciclopédia".

Num breve testemunho enviado por escrito para o Expresso, Herman José recorda que conheceu "o famoso BB pela mão do Raul Solnado, que o adorava”. “Foi de resto um dos grandes responsáveis da abertura do Raul à paixão pelos grandes autores. Foi também o primeiro jornalista a exultar com a minha personagem Tony Silva do “Passeio dos Alegres” (1981), a elogiá-la publicamente e a espantar-se pelo facto de eu “navegar numa realidade – a das velhas vedetas das danças de salão – apesar de tão novo”, prossegue Herman José. Os nossos nomes ficaram ligados para sempre (e a nossa amizade cimentada) pela sua efusiva reação à caricatura que dele fiz no 'Herman Enciclopédia', reproduzindo a mítica frase 'onde é que tu estavas no 25 de Abril?'.”

Baptista-Bastos publicou mais de uma dezena de títulos de ficção, entre os quais "O Secreto Adeus" (1963), "Cão Velho entre Flores" (1974), "O Cavalo a Tinta da China" (1995), "A Colina de Cristal" (2000) e "No Interior da Tua Ausência" (2002).

Ao longo da carreira, o autor conquistou vários prémios, designadamente, o Prémio Literário Município de Lisboa, em 1987, pelo romance "A Colina de Cristal", que lhe valeu também o Prémio P.E.N. Clube Português de Ficção, no ano seguinte.

Em 2002, recebeu o Prémio da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários, pela obra "No Interior da Tua Ausência". Em 2003, venceu o Grande Prémio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores pelo livro "Lisboa Contada pelos Dedos".

Em 2006, recebeu os prémios de Crónica da Sociedade da Língua Portuguesa, João Carreira Bom, e do Clube Literário do Porto.