Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Vereador da CDU detido em Cascais nega ter desobedecido às autoridades

Clemente Alves diz que estava a protestar contra uma obra “ilegal” e não ofereceu resistência. PSP insiste que vereador “não obedeceu às ordens policiais”

O vereador da CDU que foi detido esta manhã durante um protesto em São João do Estoril vai apresentar-se na quarta-feira de manhã no Tribunal de Cascais, acusado de ter desobedecido às autoridades.

Contactado pelo Expresso, Clemente Alves negou a acusação e disse que se encontrava na Quinta da Carreira em solidariedade com um grupo de 30 moradores que protestava contra a construção de um parque de estacionamento “ilegal” em zona de reserva ecológica.

“É um absurdo. Eu não ofereci resistência nenhuma. Identifiquei-me e perguntei o que motivava ali a deslocação da polícia. O graduado de forma intempestiva disse que não tinha nada a dizer. Perante a minha insistência, começou a empurrar-me e eu desequilibrei-me, altura em que me algemaram e fui levado até à esquadra do Estoril”, afirmou o vereador e cabeça de lista pela coligação nas próximas eleições autárquicas.

Fonte do Comando Metropolitano de Lisboa disse contudo ao Expresso que o vereador de Cascais foi detido por “não obedecer às ordens policiais”, não abandonando o local.

Segundo Clemente Alves, a concentração do grupo de moradores estava decorrer de forma pacífica e tinha como objetivo chamar a atenção da comunicação social e dos responsáveis camarários sobre a necessidade de esclarecimentos sobre a obra.

“O graduado da PSP passou por várias pessoas e dirigiu-se deliberadamente a mim. Alguém da Câmara de Cascais indicou erradamente que era eu o grande agitador do movimento”, explicou o vereador comunista, acrescentando que irá apresentar uma queixa contra a autarquia.

Mais tarde foram também identificados outros moradores que se encontravam no protesto.

Clemente Alves adiantou que foi lançada há dias uma petição contra a construção do parque de estacionamento – que já conta com cerca de 500 assinaturas –, e que alertou as entidades competentes para a falta de segurança na obra.

Entretanto, a Comissão Concelhia de Cascais do PCP também condenou a ação policial que culminou esta manhã na detenção de Clemente Alves, em S. João do Estoril.

Em comunicado, o PCP “reitera o direito das populações em defender os seus legítimos interesses e o direito ao protesto e repudia e considera inaceitável a forma intempestiva como alguns agentes da PSP actuaram sobre os moradores e, em particular, da forma agressiva e totalmente despropositada com que intervieram sobre o Vereador do PCP, Clemente Alves.”

O Partido Comunista, acrescenta, fará tudo para, “em conjunto com a população, continuar a luta contra esta obra ilegal que se está a fazer na Quinta da Carreira em S. João do Estoril e denuncia a postura da maioria PSD/CDS na Câmara Municipal de Cascais, que tenta justificar o injustificável com acusações à CDU, quando o que precisa de esclarecer é porque é que iniciou uma obra ilegal em zona de reserva ecológica, sem nunca a ter discutido com os moradores”, conclui.

  • Clemente Alves participava esta terça-feira num protesto contra a construção de um parque de estacionamento pago em São João do Estoril. O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP indicou que “os agentes policiais tentaram que o vereador abandonasse o local, mas este tratou mal um polícia, desobedeceu às ordens e resistiu”