Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Classe compacta

A semana passada mostrámos o que vale o Mercedes-AMG A45 no circuito de Hungaroring. Mas, a viagem à Hungria serviu também para conhecer o novo Mercedes GLA. O jornalista Rui Pedro Reis tirou as medidas ao mais compacto dos SUV da marca alemã, que tem agora novos argumentos.

Rui Pedro Reis/SIC em Budapeste, Hungria

Um dia depois de ter estado em pista com o Mercedes-AMG A45, uma espécie de ressaca de adrenalina fazia-me ver um ensaio ao novo GLA como uma obrigação daquelas que se dispensa.

Mas, a verdade é que logo pela manhã acabei por ser surpreendido. À minha espera estava a versão mais vitaminada do GLA. Pela primeira vez o mais compacto dos SUV da Mercedes tem uma versão com o carimbo da AMG. O motor é o mesmo 2.0 Turbo com tração integral que equipa o A45. Não o pude ensaiar em pista, e as estradas da Hungria tem polícia e radares, por isso não deu para perceber as diferenças para o A45. Mas deu para perceber que o A45 ganha por ter menos peso e um centro de gravidade mais baixo, ainda que consiga um bom comportamento em curva.

Para isso contribui a suspensão ativa, que compromete o conforto mas garante desempenho. Por fora, o GLA A45 tem tudo o que se espera: uma imagem agressiva, jantes de 20”, entradas de ar com com novo design no para-choques, friso duplo na grelha com o logotipo da AMG, um spoiler traseiro que sublinha o estilo desportivo e um difusor traseiro parece decalcado da competição.

A imagem interior acompanha, com bancos tipo baquet e frisos de cor, que lembram que este não um GLA como os outros. Mas é a entrega de potência e a tração integral que tornam o esta GLA numa apetecível extravagância. Um SUV que faz 4,4s dos 0 aos 100 é uma realidade e pelo menos faz sonhar quem tenha um GLA menos nutrido.

De regresso à realidade SUV

1 / 5

2 / 5

3 / 5

4 / 5

5 / 5

O novo GLA não é uma revolução face à geração anterior. Pelo contrário, as mudanças são de pormenor, ainda que sejam várias. Mas percebe-se a necessidade do grupo Daimler de lavar a cara do SUV mais acessível da Mercedes, já que a concorrência é cada vez mais e o objetivo da marca é tentar imiscuir-se no mercado das marcas generalistas com os compactos da Classe A. A Mercedes assume que é um facelift. O GLA foi lançado há quatro anos e quando surgiu ficava na fronteira entre um crossover e um SUV.

Agora, a suspensão foi subida em 30mm. Pode não ser muito mas é o suficiente para lhe conferir uma imagem de maior robustez. Visualmente, a nova grelha com duas lâminas destaca-se e aproxima o GLA do outros modelos SUV Mercedes. O sistema Dynamic Select, que permite escolher vários perfis de condução, passa a ser de serie. No interior, há novos materiais e uma oferta renovada de cores, num automóvel que desde a nascença oferece mais espaço para os ocupantes dos lugares da frente.

Em andamento, o GLA mantém os pergaminhos que o tornaram uma referência. Entre os rivais, está ao melhor nível em matéria de prazer de condução, talvez porque acaba por ser um Classe A com um pouco mais de altura ao solo. A posição de condução é excelente, mais próxima de uma berlina que de um SUV. Por isso, o GLA continua a ser uma proposta premium, claramente apontado a um público que gosta da imagem dos SUV mas que prefere a sensação de condução de um automóvel compacto convencional. Esta viagem à Hungria serviu ainda para comprovar que esta imagem mais crossover que SUV, não impede o GLA de se aventurar fora de estrada. Com uma versão 250 4Matic, de tração integral, o percurso sinuoso e com inclinações consideráveis, é um desafio que chassis e eletrónica resolvem sem problemas.

O GLA em Portugal

1 / 4

2 / 4

3 / 4

4 / 4

A gama do GLA conta com três níveis de equipamento: Style, Urban e AMG. Além destes, há três packs de opcionais, Advantage, Premium e Premium Plus. Parte deste facelift passou também por dotar a gama de mais equipamento de série. Por isso, o novo AMG tem um acréscimo de preço de 1400€ face ao anterior.

Mas a Mercedes alega que o aumento do equipamento de série tem o valor de 4300€, o que dá uma vantagem ao cliente de 2900€. Ou seja, o GLA 180CDI, o mais vendido em Portugal, passa a custar 36 900€ na versão Style. Por isso, e depois de configurar o GLA, o mais provável é que o preço final ronde os 41 000€