Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Casal McCann recorre para justiça europeia contra ex-inspetor Gonçalo Amaral

Tiago Miranda

“Vamos recorrer. Ainda não entregámos o recurso, mas vamos para os tribunais europeus”, afirma Gerry McCann,o pai da criança desaparecida no Algarve há 10 anos, em entrevista à BBC

Os pais de Madeleine McCann vão recorrer para as instâncias europeias contra a decisão da justiça portuguesa de revogar a sentença que obrigava o ex-inspetor da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral a pagar 500 mil euros ao casal.

"Vamos recorrer. Ainda não entregámos o recurso, mas vamos para os tribunais europeus", afirma o pai da criança, Gerry McCann, à BBC, na única entrevista que o casal concedeu a propósito do 10.º aniversário do desaparecimento de Madeleine McCann, e cuja reprodução foi autorizada para outros órgãos de comunicação social.

A 31 janeiro, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a decisão da Relação em revogar o pagamento de uma indemnização de 500 mil euros por Gonçalo Amaral aos pais da criança desaparecida em 2007 no Algarve, por danos causados com a publicação do livro intitulado "Maddie: A Verdade da Mentira".

Gerry McCann lembra que este processo foi iniciado há oito anos, quando o casal sentiu que o livro e subsequente documentário, que sugere o possível envolvimento dos pais numa morte acidental da filha, estava a prejudicar a campanha para encontrar Madeleine.

"Eu penso que é tudo inconcebível, tem sido muito perturbador, e causou muita frustração e raiva, o que é um sentimento muito negativo, e penso que precisamos de canalizar isso. Ainda tenho esperança que, no fim, a justiça prevaleça, e tudo acabe bem", diz a mãe, Kate McCann.

O conflito com o antigo inspetor da PJ, que foi responsável inicialmente pela investigação ao desaparecimento, tem alimentado muitos comentários negativos na internet, sobretudo nas redes sociais, o que faz com que o casal evite usar essas plataformas.

A principal preocupação, confessa Kate, são os outros dois filhos, atualmente com 12 anos, pelo que têm tentado impedir que usem redes sociais como os jovens da idade deles. "Temos sido o mais abertos possível com eles. Contámos-lhes sobre as coisas e que pessoas escrevem coisas que são simplesmente mentira e que eles precisam de ter consciência disso. Ainda não chegaram a uma idade em que estão na internet e outros sítios, mas estão a chegar a essa fase. Estão em grupos fechados com os seus amigos, etc, e isso é importante", comenta a progenitora.

O casal McCann louva o "apoio fantástico" recebido ao longo de dez anos, mesmo que sejam os comentários negativos que muitas vezes tenham destaque. "A nossa experiência principal foi a bondade das pessoas e o apoio que tivemos ao longo de dez anos, e isso não diminuiu neste tempo todo", garante Kate McCann.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 3 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.


  • Supremo rejeita recurso dos McCann

    Em janeiro fora confirmada a revogação da decisão que obrigava o ex-inspetor da PJ, Gonçalo Amaral, a pagar uma indemnização de 500 mil euros ao casal McCann

  • Madie McCann. O que tem sentido é a tese de rapto, diz Rogério Alves

    Dez anos depois da menina inglesa de três anos ter desaparecido no Algarve, o antigo bastonário dos advogados diz que aceitou defender os pais após falar com eles e sentir que ali estavam dois “seres humanos em profundo sofrimento”, que tinham que lidar uma “potencial acusação”, pois eram arguidos. A PJ reabriu o caso em 2013. Revista E deste sábado inclui uma reportagem na Praia da Luz