Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Trabalhadores da Transtejo mantêm greve de dois dias a 26 e 27 de abril

O Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marinha Mercante reuniu com o Governo esta quinta-feira e diz que a proposta de revisão do Acordo de Empresa não foi aceite e continua a não trazer nenhum aumento salarial

Os trabalhadores do grupo Transtejo, responsável pelas ligações fluviais entre a margem sul e Lisboa, decidiram, esta quinta-feira, manter a greve parcial de dois dias, a 26 e 27 de abril, depois de reunirem com a administração da empresa.

"Reunimos hoje com a administração da empresa e recebemos a informação que a proposta de revisão do Acordo de Empresa veio recusada do Ministério da Finanças. A revisão não foi totalmente recusada, apenas alguns pontos, entre eles a questão salarial", disse à Lusa Carlos Costa, do Sindicato dos Transportes Fluviais Costeiros e Marinha Mercante, afeto à Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

Segundo o sindicalista, a proposta de revisão do Acordo de Empresa não traz nenhum aumento salarial.

"A revisão não tem aumentos salariais, apenas muda o espelho de apresentação dos valores. Ficámos surpreendidos com esta decisão e nós não pretendemos estar agora a renegociar um acordo que nem entrou em vigo sequer", explicou.

Acrescentando ainda: "Tínhamos a expetativa que tivesse sido algo favorável que vinha desta reunião e que fosse possível cancelar as greves, mas não veio nada de positivo. As greves previstas para as duas empresas do grupo, a Transtejo e a Soflusa, vão manter-se".

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), afeta à CGTP, agendou duas greves parciais para 26 e 27 de abril, de três horas por turno na Transtejo e de duas horas por turno na Soflusa, que vão afetar as ligações fluviais, em especial, nas horas de ponta.

A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

A Lusa tentou contactar o grupo Transtejo, mas até ao momento não foi possível.