Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Irmãs da jovem que morreu com sarampo não foram vacinadas

Pais da adolescente de 17 anos que não resistiu à infeção também recusaram a administração de vacinas às outras duas filhas

As duas filhas mais novas do casal que esta semana perdeu a filha mais velha, com 17 anos, devido a uma pneumonia bilateral provocada pelo vírus do sarampo, também não foram vacinadas. Elementos da equipa médica que acompanhou a jovem durante o internamento no Hospital de Cascais e uma fonte da tutela da Saúde afirmaram ao Expresso que as meninas também não foram vacinadas.

A decisão de não imunizar as duas meninas foi justificada aos profissionais de saúde daquela unidade hospitalar com o receio de efeitos adversos semelhantes aos que terão ocorrido na irmã mais velha após a toma das vacinas dadas aos dois meses, no caso difteria, tétano e tosse convulsa. A mãe, que marcou sempre presença no hospital deixando as filhas mais novas ao cuidado do pai, disse à equipa que a adolescente tinha sofrido uma reação alérgica muito grave, um choque anafilático, e que esteve hospitalizada, "quase em coma, no hospital das crianças em Lisboa", contou um elemento ao Expresso.

A menor de 17 anos estava hospitalizada em Cascais devido a uma mononucleose e terá sido infetada com o vírus do sarampo por um bebé igualmente infetado e não vacinado. A criança tinha 13 meses e não fez a primeira dose da vacina contra o sarampo aos 12 meses porque estava febril e os pais foram aconselhados pela unidade de saúde a adiarem a imunização até o bebé estar recuperado.

A mononucleose debilita o sistema imunitário e o vírus do sarampo ganhou terreno, levando ao aparecimento de uma pneumonia que ditou a transferência de I. para os hospitais de Santa Maria e depois para o Dona Estefânia, ambos em Lisboa, onde viria a falecer às primeiras horas desta quarta-feira. Antes da alta do Hospital de Cascais, as duas irmãs foram levadas pelo pai para verem a irmã: deram-lhe um beijinho através do vidro.

  • Rapariga de 17 anos que estava internada no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e não resistiu ao sarampo não estava vacinada por opção familiar. Equipa médica não conseguiu tratar pneumonia bilateral na sequência da infeção