Siga-nos

Perfil

Expresso

Sociedade

Médicos mantêm greve nacional de 10 e 11 de maio

Reunião desta quarta-feira entre os sindicatos e Ministério da Saúde não permitiu chegar a acordo. Embora esteja agendada novo encontro para 27 de abril, o pré-aviso deverá ser entregue na quinta-feira

Os sindicatos médicos mantêm a greve nacional agendada para 10 e 11 de maio, depois de uma reunião esta quarta-feira com a tutela, na qual "algumas matérias continuaram a afastar os sindicatos do Ministério da Saúde", disse fonte sindical.

Segundo Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), esta estrutura sindical deverá emitir quinta-feira o pré-aviso de greve, devendo ser seguida pela Federação Nacional dos Médicos (FNAM), no dia seguinte.

Em declarações à agência Lusa, após uma reunião com a tutela, no Ministério da Saúde, Jorge Roque da Cunha disse que a greve continua marcada, embora esteja agendada nova reunião para o próximo dia 27 de abril.

"Há um conjunto de matérias que continuam a afastar os sindicatos e o Ministério da Saúde, embora tenha existido algum avanço na questão das horas extraordinárias", disse.

Os sindicatos agendaram uma greve nacional para dias 10 e 11 de maio, contra a ausência de medidas concretas do Governo, nomeadamente a reposição do pagamento das horas extras, que estão a receber a 50% desde 2012.

A 13 de abril, dois dias após os sindicatos marcarem a greve, esta reposição tinha sido aprovada em Conselho de Ministros, nomeadamente as alterações ao diploma que restitui parte do pagamento das horas extraordinárias.

Sobre esta aprovação, o SIM e a FNAM consideraram que o que se conhecia tinha "caráter vago e de mera declaração de intenções, fugindo a objetivações temporais e quantitativas".

O Governo tinha publicado este ano um diploma a restituir parte das horas extraordinárias apenas para os profissionais que fazem urgência externa e cuidados intensivos, mas as organizações médicas exigiram de imediato que fosse aplicado a todos os profissionais.

O ministro da Saúde garantiu verbalmente que o pagamento das horas extraordinárias a 75% aos médicos teria efeitos retroativos a 01 de abril. Em reuniões com os sindicatos, o Ministério da Saúde tem-se comprometido a repor os restantes 25% até ao fim deste ano.

Hoje, Jorge Roque da Cunha disse que há várias matérias por negociar, como o número de horas de urgência em horário (18 horas para os médicos, das 40 semanais, quando defendem 12).

O secretário-geral do SIM reiterou a disposição dos sindicatos para a negociação, tendo reconhecido a mesma abertura da tutela para tal.